Bosch demite 900 da fábrica de Curitiba

A unidade de Curitiba produz sistemas de injeção eletrônica para veículos com motores movidos a diesel como caminhões, barcos, tratores e geradores

Novo aeroporto de Florianópolis deve ficar pronto em março de 2014
Obras de dragagem dos principais portos do país serão licitadas até junho
Brasil terá álcool de celulose em 2010

A Bosch demitiu ontem 900 funcionários da fábrica de Curitiba, localizada na Cidade Industrial e anunciou ainda uma licença remunerada para outros 3 mil trabalhadores a partir de hoje até o dia 28 de junho. De acordo com o comunicado oficial da companhia, a crise econômica foi o principal motivo das demissões porque houve queda nas exportações principalmente para Estados Unidos e Europa. Isso provocou queda nos pedidos da fábrica e redução de 40% da produção em relação a meados de 2008. Cerca de 60% da produção é destinada para o mercado externo. A medida parou a fábrica que tem 4 mil funcionários.

A unidade de Curitiba produz sistemas de injeção eletrônica para veículos com motores movidos a diesel como caminhões, barcos, tratores e geradores. O gerente de recursos humanos da fábrica do Paraná, Duilo Damaso, disse que as medidas tomadas tiveram como objetivo ajustar o quadro de pessoal em relação à demanda e reduzir o estoque de produtos.

A empresa já tinha demitido 700 funcionários desde o início da crise financeira que começou em meados de setembro. Deste total, 400 pediram aposentadoria ou saíram da empresa por vontade própria e as vagas não foram repostas. Damaso, disse que a Bosch depende da exportação, mas o mercado internacional não teve recuperação. Segundo ele, não há possibilidades de mais demissões e nem de fechamento da fábrica. As outras três unidades localizadas em Campinas (SP) e Aratu (BA) não foram afetadas pelos cortes.

Para minimizar os efeitos da crise, a empresa já tinha adotado outras medidas como a suspensão dos investimentos em algumas áreas, o cancelamento temporário de novas contratações. A empresa informou ainda por meio de nota, que apresentou a proposta de redução de jornada com redução de salário, mas não houve acordo com os trabalhadores e o Sindicato dos Metalúrgicos.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, Sérgio Butka, disse que vai entrar com uma liminar na Justiça do trabalho para pedir a suspensão das demissões. Ele também pretender acionar o Ministério Público do Trabalho em busca de alternativa para a situação dos funcionários.

Publicação anterior

COMMENTS