Bosch demite 900 da fábrica de Curitiba

A unidade de Curitiba produz sistemas de injeção eletrônica para veículos com motores movidos a diesel como caminhões, barcos, tratores e geradores

Rodovia interoceânica beneficiará exportadores brasileiros, avalia secretário
PRF registra em julho menor número de mortes em quatro anos
Audiência ressalta polêmica sobre contratação de motoristas de cargas

A Bosch demitiu ontem 900 funcionários da fábrica de Curitiba, localizada na Cidade Industrial e anunciou ainda uma licença remunerada para outros 3 mil trabalhadores a partir de hoje até o dia 28 de junho. De acordo com o comunicado oficial da companhia, a crise econômica foi o principal motivo das demissões porque houve queda nas exportações principalmente para Estados Unidos e Europa. Isso provocou queda nos pedidos da fábrica e redução de 40% da produção em relação a meados de 2008. Cerca de 60% da produção é destinada para o mercado externo. A medida parou a fábrica que tem 4 mil funcionários.

A unidade de Curitiba produz sistemas de injeção eletrônica para veículos com motores movidos a diesel como caminhões, barcos, tratores e geradores. O gerente de recursos humanos da fábrica do Paraná, Duilo Damaso, disse que as medidas tomadas tiveram como objetivo ajustar o quadro de pessoal em relação à demanda e reduzir o estoque de produtos.

A empresa já tinha demitido 700 funcionários desde o início da crise financeira que começou em meados de setembro. Deste total, 400 pediram aposentadoria ou saíram da empresa por vontade própria e as vagas não foram repostas. Damaso, disse que a Bosch depende da exportação, mas o mercado internacional não teve recuperação. Segundo ele, não há possibilidades de mais demissões e nem de fechamento da fábrica. As outras três unidades localizadas em Campinas (SP) e Aratu (BA) não foram afetadas pelos cortes.

Para minimizar os efeitos da crise, a empresa já tinha adotado outras medidas como a suspensão dos investimentos em algumas áreas, o cancelamento temporário de novas contratações. A empresa informou ainda por meio de nota, que apresentou a proposta de redução de jornada com redução de salário, mas não houve acordo com os trabalhadores e o Sindicato dos Metalúrgicos.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, Sérgio Butka, disse que vai entrar com uma liminar na Justiça do trabalho para pedir a suspensão das demissões. Ele também pretender acionar o Ministério Público do Trabalho em busca de alternativa para a situação dos funcionários.

Publicação anterior

COMMENTS