Randon fecha acordo para a venda de 1.480 equipamentos para a Argélia

Programa de vendas firmado pela Randon na Argélia tem número de unidades supera o volume físico exportado nos dois últimos anos, materializando, portanto, a expectativa da empresa com a continuada boa performance dos mercados africanos

PRF registra em julho menor número de mortes em quatro anos
Concordata da Mesa pode levar Embraer a revender 36 jatos
Mercedes-Benz reestrutura a rede

O diretor corporativo e de operações da Randon S.A Implementos e Participações, Erino Tonon, que integrou a recente missão oficial brasileira ao norte da África, no final de janeiro, liderada pelo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Miguel Jorge, assinou com o diretor geral da ACTS, Yassine Rebrab, um programa de fornecimento de 1.480 equipamentos em CKD (desmontados) e 4 caminhões fora de estrada em CBU (montados) para o ano de 2009. A cerimônia foi realizada na Salle d´Honneur do aeroporto de Argel, antes da partida da delegação para a Tunísia, e foi testemunhada também pelo Embaixador Sérgio França Danese. A empresa ACTS é a parceira da Randon na Argélia, para a montagem dos produtos CKD e a distribuição dos produtos localmente. O programa, que inclui tanques, basculantes e plataformas, totalizará o equivalente a US$ 30 milhões, mas poderá chegar a US$ 40 milhões e 1600 produtos, com 6 caminhões fora de estrada adicionalmente.

A programação de entrega, em lotes que variam de acordo com o tipo de produto, inicia no mês de março, com conclusão prevista para dezembro deste ano. O número de unidades supera o volume físico exportado nos dois últimos anos, materializando, portanto, a expectativa da Randon com a continuada boa performance dos mercados africanos, cujas economias tendem a crescer bem mais que a média mundial em 2009.

A Randon S.A já exporta para a África desde a década de 70, mas especificamente para a Argélia há alguns anos passou a adotar também o sistema de embarque do produto desmontado – CKD (Completely Knocked Down), para a maior parte dos produtos. Para Tonon, a missão foi exitosa na medida em que permitiu aos empresários uma maior aproximação com mercados como Líbia, Argélia, Tunísia e Marrocos, com os quais ainda há pouca tradição no comércio bilateral e onde o governo brasileiro realizou seminários empresariais e encontros de negócios para ampliar a corrente de comércio.

A missão contou com a participação de 92 representantes de empresas e entidades de 10 diferentes segmentos tais como agronegócio, energia, mineração, tecnologia da informação, máquinas e equipamentos, automotivo, logística, têxteis e calçados, construção civil e defesa.

COMMENTS