Embraer avalia que o pior já passou

O lucro líquido da empresa ficou 74,8% menor que o registrado no mesmo período em 2008. Segundo o comunicado da Embraer, o período "foi marcado por pedidos de cancelamento de aeronaves no segmento de aviação executiva e adiamento de entregas no segmento de aviação comercial, por conta da forte desaceleração econômica mundial"

Orçamento total do PAC chega a R$ 1,1 trilhão
Volkswagen faz acordo com empresas de bebidas
Financiamento da safra 2009/2010 pode chegar a R$ 100 bilhões, diz Stephanes

Apesar da crise mundial e das previsões pessimistas de seus executivos, a Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) fechou o primeiro trimestre deste ano com um lucro líquido de R$ 38,3 milhões. E sua receita líquida foi de R$ 2,667 bilhões, 15% superior aos R$ 2,321 bilhões atingidos no ano passado.

O lucro líquido da empresa ficou 74,8% menor que o registrado no mesmo período em 2008. Segundo o comunicado da Embraer, o período “foi marcado por pedidos de cancelamento de aeronaves no segmento de aviação executiva e adiamento de entregas no segmento de aviação comercial, por conta da forte desaceleração econômica mundial”.

O documento não revela quan-tos pedidos foram cancelados e quais os clientes que desistiram da compra.

Carteira de pedidos – A carteira de pedidos firmes da Embraer atingiu ao final do primeiro trimestre US$ 19,7 bilhões. A liderança nas vendas ainda é dos aparelhos da família de jatos comerciais 170/190, que acumulam um total de 875 pedidos firmes e 792 opções de compra. A companhia ainda entregou 40 aparelhos – cinco menos do que em 2008.

Em fevereiro, a direção da companhia decidiu cortar 20% de seu quadro funcional, dispensando cerca de 4,3 mil empregados. O reflexo da maior demissão de sua história, de acordo com os números do balanço, foi o crescimento de 17,7% das despesas operacionais, que passaram de R$ 295 milhões em 2008 para R$ 345 milhões. O acréscimo foi motivado, principalmente, pelo pagamento das rescisões trabalhistas.

O documento informou que “devido à acentuada desaceleração econômica no primeiro trimestre de 2009, a Embraer revisou a estimativa de entregas de jatos de 270 para 242 aeronaves, subdivididas em 115 entregas para o segmento de aviação comercial e 17 jatos Legacy 600 e Lineage 1000 para o segmento de aviação executiva, além de 110 jatos Phenom para este mesmo segmento”.

Outro dado fornecido foi que a estimativa de receita para 2009 acabou sendo revisada – de US$ 6,3 bilhões para US$ 5,5 bilhões.

Avaliação do presidente – A direção da Embraer acredita que o pior momento passou, particularmente nos mercados que concentram sua maior atuação. Essa é a avaliação do presidente da empresa. Frederico Curado.”Não vemos um cenário pior do que o enfrentado (nos primeiros meses do ano), pelo menos não na nossa linha de produtos. Estamos cautelosamente otimistas”, disse Frederico Curado.

Sem entrar em detalhes, Curado antecipou que a Embraer deverá definir no final do próximo ano o plano de negócios para o segmento de aviação comercial, área que responde por três quartos das vendas da empresa.

– “Devemos tomar uma decisão sobre atualizar a família atual de jatos ou desenvolver novos produtos. Não depende de nós, depende do mercado”, disse ele, em teleconferência para comentar os resultados da companhia de janeiro a março.

De acordo com o vice-presidente financeiro e de relações com investidores da fabricante, Luiz Carlos Siqueira Aguiar, a empresa não fará um prognóstico sobre o número de jatos que deve entregar em 2010.

“A dificuldade não é só nossa, mas de todas as empresas, de ter uma visão clara para o ano que vem. Não temos previsão de quando poderemos falar de uma maneira mais clara e objetiva sobre as metas de 2010”, disse Aguiar. Ele ainda revelou que as despesas relacionadas aos cortes de pessoal foram de US$ 50 milhões.

COMMENTS