Mudanças no trânsito custarão US$ 26 milhões

Esse era um ponto importante da discussão porque com a contrapartida em obras e serviços temos mais mobilidade para conseguir os recursos em diferentes fontes'', explicou

Itapemirim ensaia o retorno à aviação
Governo do RJ, prefeitura e BID firmam contrato para criação de Corredor Expresso
Secretaria e Codesp têm estudos de viabilidade

Um acordo de US$ 26,158 milhões foi fechado ontem entre a Prefeitura de Maringá e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para implantação de um projeto que vai mudar o trânsito na Área Central da cidade e também desafogar o fluxo de alguns bairros. O prefeito Silvio Barros (PP) esteve ontem em Brasília para acertar os últimos detalhes do acordo, que deve ser assinado em definitivo dentro de 60 dias.

Do total de recursos previstos para implantação do projeto, metade será custeada pela Prefeitura de Maringá. Esse foi o ponto principal da ida de Barros até Brasília. No final, a administração conseguiu colocar no acordo que sua contrapartida seja paga em obras e serviços.

‘Esse era um ponto importante da discussão porque com a contrapartida em obras e serviços temos mais mobilidade para conseguir os recursos em diferentes fontes”, explicou.

Essa contrapartida ”física”, como definiu o prefeito, poderá incluir as obras que o município já realiza no sistema viário, como o rebaixamento da linha férrea na área urbana, o Contorno Norte e outros investimentos.

Dentro do projeto, a prioridade da administração será o contorno ao lado da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Barros lembrou que a região concentra o maior gargalo de fluxo de veículos da cidade e desafogar esse trânsito será fundamental para o crescimento dos bairros daquela região.

A maior mudança será na Avenida Brasil, que passará a ter mão única em determinado trecho e vai abrigar uma pista preferencial para o transporte coletivo. O projeto prevê ainda a implantação de dois terminais de ônibus urbano.

Os terminais urbanos vão servir todas as linhas existentes. Avenidas que cruzam com a Brasil também passarão a ser de mão única para dar mais agilidade ao trânsito.

Também está prevista a instalação do Controle de Tráfego por Área (CTA), um sistema eletrônico de monitoramento que vai permitir que a Secretaria de Transportes interfira rapidamente nos pontos de lentidão para evitar congestionamentos.

COMMENTS