ALL tem crescimento de 12% no volume de cargas no Brasil

Maior operadora logística com base ferroviária da América Latina, a ALL anunciou os resultados de 2008, que apontam um crescimento no volume de cargas no Brasil, com investimentos de R$ 680 milhões em equipamentos e infra-estrutura

Brasil conclui colheita da maior safra de grãos da história
Conselho do FGTS aprova mais R$ 5 bilhões para investimentos em infra-estrutura
Singapore Airlines tem novidades para 1ª classe e suítes

A América Latina Logística (ALL), gigante da logística com base ferroviária, anunciou esta semana os resultados de suas operações no Brasil em 2008. De acordo com os números da operadora, o volume de cargas no ano passado teve um crescimento de 12% em relação a 2007, com investimentos da ordem de R$ 680 milhões em ferrovias, locomotivas, vagões e sistemas de comunicação e informação.

Segundo a ALL, o volume de commodities agrícolas cresceu 11%, de 21,3 bilhões de TKU, em 2007, para 23,7 bilhões de TKU, em 2008, e a participação de mercado da empresa saiu de 51% para 62% nos portos em que atua, com destaque para açúcar e farelo de soja, com crescimento em volume superior a 30% cada.

Na unidade industrial, o volume transportado cresceu 13% no ano, com crescimento em todos os segmentos, principalmente em contêineres e construção. “Continuamos nossa trajetória de crescimento nos volumes intermodais, principalmente com aumentos de 16% em contêineres, 14% em alimentos e 14% em florestais.”, afirma Sergio Nahuz, Diretor de Industrializados da ALL.

Perspectivas 2009

A All espera crescer entre 10% e 12% em 2009 e prevê investir cerca de R$600 milhões ao longo do ano e contratar 300 colaboradores diretos. Entre os principais projetos previstos pela empresa estão o início da operação para a VCP, em Três Lagoas, o aumento da capacidade dos Terminais de Alto Araguaia e Alto Taquari, e cerca de doze novos terminais de álcool com a Copersucar.

“Continuamos confiantes nos fundamentos positivos da ALL, bem como na capacidade da Companhia de manter sua trajetória de crescimento em bons e maus momentos”, afirma Bernardo Hees, Diretor-Presidente da ALL.

COMMENTS