Rodovia inacabada é incluída na lista de obras prontas do PAC

O Ministério da Casa Civil anunciou na semana passada, em mais um balanço das obras do Pro­­­grama de Aceleração do Crescimento (PAC), que a pavimentação da BR-153 – conhecida como Transbrasiliana – está pronta

Demanda faz montadoras aumentarem produção local
Têxteis ganham espaço para setor de logística
Mercado de seguros prevê fusões de porte ainda este ano

Existem cinco dúzias de casas im­­pedindo o tráfego no lugar em que o governo federal afirma que há uma rodovia concluída. O Ministério da Casa Civil anunciou na semana passada, em mais um balanço das obras do Pro­­­grama de Aceleração do Crescimento (PAC), que a pavimentação da BR-153 – conhecida como Transbrasiliana – está pronta, no trecho entre as cidades de Ventania e Tibagi (distrito de Alto do Amparo), nos Campos Gerais, no Paraná. Mas a finalização da obra ainda deve demorar pelo menos seis meses para ser retomada.

Há uma área de ocupação no traçado previsto da rodovia, com dezenas de moradores que só deixarão o local se forem transferidos para um novo loteamento. En­­quanto isso, um viaduto não concluído acaba em cima do telhado de al­­­guns casebres. Segundo informou a assessoria do De­­­partamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes (Dnit), como faltam apenas 800 me­­­­tros em um trecho de 84 quilômetros, a obra pode ser considerada formalmente pronta pelo órgão.

Aldair Agenílson de Oliveira afirma que é o único que tem casa escriturada no local em que deveria ser o leito da rodovia, na altura de Ventania. Ele conta que está em negociação com o Dnit há alguns meses para acertar o valor da indenização. Já os demais moradores vão depender de uma política de compensação capitaneada pela prefeitura de Ventania. É o caso da boia-fria Rosa Domingues. Ela mora com o marido e dois filhos na vila que ganhou o nome de Monte Cristo e há 14 anos ouve dizer que um dia terá de sair da casa. “Mas ninguém explica pra gente o que está acontecendo”, conta. Ela comprou três milheiros de tijolos ano passado para ampliar a casa, mas desistiu com medo de perder dinheiro.

O vizinho Gilberto Domingues tem uma serraria e vê, dos fundos do barracão, o viaduto ainda em obras. Ele afirma que, mesmo trabalhando com madeira, não se encoraja a reformar a estrutura da serraria – que está pendendo –, porque sabe que o investimento não terá retorno. Também aguarda o cumprimento da promessa da transferência para outro lugar, onde poderia se instalar melhor e mudar de vida.

Atualmente, os motoristas que usam o trecho precisam fazer um desvio por dentro de Ventania. Quando a rodovia estiver realmente concluída, a estimativa é que passem por ela três mil veículos por dia no trecho recém-asfaltado. A obra está orçada em R$ 121 milhões – valor em que já está incluída a pavimentação do trecho de ocupação em Ventania.

Além do trecho inacabado na área de ocupação em Ventania, não foram pavimentados, propositalmente, os 300 metros finais da rodovia na ligação com a BR-376. O Dnit decidiu que era necessário construir um viaduto no local e que até a nova obra ser executada seria melhor deixar o trecho em chão batido, como um redutor natural de velocidade no acesso à rodovia. O projeto do viaduto está em fase de licitação, sem prazo para ser concluído, e não faz parte da obra anunciada como pronta pelo PAC.

Procurado pela Gazeta para co­­­­mentar o fato de a rodovia ter sido incluído entre os projetos concluídos o ministro do Plane­­­ja­mento, Paulo Bernardo – que é um dos prin­­­cipais entusiastas da pa­­­vimentação da Trans­­­brasiliana e já es­­­­teve no local várias vezes – respondeu, pela assessoria, que preferia que o assunto fosse tratado em outros ministérios que teriam relação direta com a obra. A reportagem buscou informações no Ministério da Casa Civil pa­­­­ra saber porque a Transbrasiliana foi apresentada como concluída, mas, mesmo com a insistência du­­­rante dois dias, não houve resposta.

O prefeito de Ventania, Ocimar Ca­­­­margo (PMDB), diz que aguarda a liberação de recursos fe­­­­derais pa­ra construção do lotea­­­men­­­­­­to que abrigará os moradores da vila Mon­te Cristo. O investimento de R$ 2 milhões já foi parcialmente au­torizado e a licitação para construção das casas deve estar concluída em dois meses. Ele reconhece que antes de janeiro não se­­­rá possível entregar os imóveis e co­­­meçar a limpeza no terreno, para o término das obras na rodovia. O prefeito de Tibagi, Sin­­­val Sil­­­va (PMDB), afirma que, mesmo sem estar con­­cluída, a Transbrasiliana registrou au­­­men­­­to no fluxo de veículos. “Não está 100%, mas está 99%.”

Marco histórico – Ainda não está completa a estrada que deveria simbolizar a integração nacional sonhada pelo presidente Juscelino Kubitschek. A me­­­ta de integrar o país, com todos os caminhos conduzindo a Bra­sí­lia, esbarrou no Paraná, onde está a única porção não asfaltada da Trans­­­brasiliana. A porção sul da BR-153 foi iniciada no go­verno mi­­­litar, em 1967, e diversas licitações foram realizadas para a conclusão da obra, gerando esperança nos moradores dos Campos Gerais. A BR-153 tem mais de 3,5 mil quilômetros, do Pará ao Rio Gran­­de do Sul, mas sofre uma interrupção ao chegar a Ven­ta­nia. Ainda é esperada a pavimentação dos 56 quilômetros até Imbi­tu­va e governo federal promete li­­citar o projeto de execução da obra. No Paraná, ela entra por Jacare­zinho, no Norte Pioneiro, e vai até General Carneiro, no extremo Sul.

COMMENTS