Fluxo em rodovias sobe 1,3% em fevereiro

De acordo com a instituição, a alta foi puxada pela elevação de 2,1% no fluxo de veículos pesados nestas rodovias

ID Logistics fecha três contratos e prevê chegar a R$ 90 mi
Montadoras voltam de férias com incertezas
Ceará e Piauí têm álcool mais caro do Nordeste

O fluxo de veículos nas rodovias brasileiras pedagiadas aumentou de 1,3% em fevereiro, ante janeiro, segundo dados da Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR). De acordo com a instituição, a alta foi puxada pela elevação de 2,1% no fluxo de veículos pesados nestas rodovias. A movimentação de veículos leves cresceu 0,6% em fevereiro deste ano, na mesma base de comparação.

Já na comparação com o mesmo período de 2008, houve incremento de 0,4% no fluxo total das rodovias pedagiadas – elevação de 3,1% no fluxo de veículos leves, e queda de 8% para veículos pesados.

Na avaliação da analista da Tendências, Ariadne Vitoriano, a alta do índice ante janeiro pode estar ligada à melhora da atividade industrial no País. “O fluxo de veículos pesados está vinculado ao desempenho da indústria”, lembrou Ariadne. No entanto, ela ponderou: “Apesar do crescimento, a retomada é bastante lenta. Já que na comparação com fevereiro de 2008 o fluxo de veículos pesados caiu 8%”.

Quanto ao fluxo de veículos leves, Ariadne avaliou que o movimento está relacionado à renda e ao emprego. “O último dado do IBGE mostrou aumento de 2,2% no rendimento médio real do brasileiro em janeiro”, reforçou a analista.

Na divisão regional, entre os estados pesquisados, o Rio de Janeiro apresentou a maior elevação no fluxo de veículos (5%), na comparação com fevereiro de 2008 – com aumento de 6% na movimentação de veículos leves e queda de 1,3% no fluxo de veículos pesados.

Já a maior queda (2%) foi registrada no Rio Grande do Sul – queda de 1% para veículos leves e de 11% para pesados. Nas rodovias de São Paulo o fluxo de veículos caiu 0,5% – crescimento de 2,6% para veículos leves e queda de 9% para pesados. No Paraná, o fluxo avançou 0,6% – incremento de 3% no fluxo de carros leves e recuo de 4,3% para pesados.

Link para a matéria

COMMENTS