Crise econômica internacional afeta transporte aéreo

Informações da Iata dão conta de que o setor de transporte aéreo em todo o mundo poderá fechar o ano com rombo de US$ 5,2 bilhões

Guerra capacita rede de distribuidores para operações com freios ABS
Empresa com débito no ISS não pode emitir nota fiscal eletrônica em SP
MAN Latin America vende 860 caminhões para Exército brasileiro

De acordo com dados divulgados esta semana pela IATA (Associação Internacional de Transporte Aéreo) a crise econômica norte-americana, que já se alastra por todo o globo causando um desaquecimento na economia mundial, terá efeitos danosos para o setor de transporte aéreo de passageiros. Os números mostram que o setor terminará o ano com prejuízos da ordem de US$ 5,2 bilhões, apesar da queda nos preços dos combustíveis.

Nos meses de julho e agosto a queda no número de passageiros foi de 1,9% e 1,3%, respectivamente. Seis meses antes, o setor havia registrado aumento de 5,4% no número de passageiros. Segundo o diretor da IATA, Giovanni Bisigniani, esta brusca mudança de direção na tendência não deu tempo para as empresas se prepararem.

Cargas aéreas

No setor de cargas aéreas, a desaceleração é ainda maior. Na Ásia, o volume de cargas embarcadas caiu 6% nos meses de julho e agosto. Em termos de passageiros, a região sofreu uma redução de 3,1% em agosto, depois de uma queda de 0,5% em julho. No Oriente Médio, as quedas superam a marca dos 10%. Mas o volume de passageiros de empresas na América do Norte, Europa e América Latina continuam em alta.

Nos países latino-americanos, a alta foi de 8,1% em julho e 11,9% em agosto. A Iata ainda elogiou o governo brasileiro por ter retirado o imposto sobre o combustível de aviões, depois de dois anos de pressão das empresas. Segundo a Iata, as empresas irão economizar US$ 411 milhões nos próximos quatro anos. A entidade pede que outros governos, principalmente a Índia, sigam o exemplo do Brasil.

COMMENTS