Porto de Paranaguá aumenta exportação de açúcar em 29%

Com o embarque de mais de 22 milhões de toneladas, o País bateu recorde histórico de exportações de açúcar

Ministro descarta problemas no transporte aéreo brasileiro durante a Copa de 2014
Webjet transportou o dobro de passageiros no mês de janeiro
Novo presidente americano anima comércio de veículos para 2009

As exportações de açúcar pelo Porto de Paranaguá cresceram 29,95%, no acumulado de janeiro a novembro deste ano, em comparação ao mesmo período de 2008. Segundo dados foram divulgados nesta segunda-feira (7) pela Administração dos Postos de Paranaguá e Antonina (Appa), foram embarcadas no período perto de 3,3 milhões de tonelada, correspondentes a cerca de 15% do total exportado pelo Brasil. Com o embarque de mais de 22 milhões de toneladas, o País bateu recorde histórico de exportações de açúcar. O aumento nos embarques brasileiros, de janeiro a novembro deste ano, em relação a igual período do ano passado, foi de 25,9%.

O açúcar a granel é o que tem a maior representatividade nos embarques realizados no Porto de Paranaguá. De janeiro a novembro, foram exportadas pelo complexo paranaense mais de 2,8 milhões de toneladas – 18,96% a mais que no mesmo período de 2008. As exportações de açúcar ensacado, apesar de representarem apenas 16% do total embarcado em Paranaguá, este ano, tiveram um crescimento de mais de 200% em relação a 2008.

A principal operadora portuária de açúcar ensacado pelo Porto de Paranaguá, a Marcon, despachou, entre os meses de janeiro e novembro deste ano, cerca de 400 mil toneladas do produto. Segundo o gerente da empresa, Carlos Rosa, esse foi o melhor resultado nos últimos 10 anos. Para ele, uma das razões para a maior demanda é a facilidade assegurada pela boa estrutura logística do porto paranaense aliada a um mercado aquecido.

“As cooperativas de açúcar e álcool tiveram um crescimento significativo este ano, agregando mais usinas cooperadas, e, apesar do dólar baixo, o preço do açúcar no mercado externo deu uma boa valorizada“, afirmou o executivo ao fazer uma breve análise do aumento nas vendas externas.

Carlos Rosa pondera que o desempenho da Marcon poderia ter sido ainda melhor, chegando próximo de 500 mil toneladas, não fosse a chuva que comprometeu a produtividade das plantações de cana no final da safra. De agora até o fim do ano, a previsão da Marcon é embarcar mais 40 mil toneladas de açúcar ensacado.

Para 2010, as projeções da operadora são bem mais otimistas. A expectativa da empresa é praticamente dobrar os embarques de açúcar ensacado com o início da operação de um terminal automatizado. Com a instalação de um shiploader (equipamento para carregar navios), a capacidade operacional de embarque do açúcar pela Marcon deverá dobrar, passando de uma média de 2,5 mil toneladas/dia para 5 mil toneladas/dia.

O investimento de R$ 25 milhões trará um novo diferencial ao Porto de Paranaguá, que terá mais um berço com estrutura para operar com navios gearless (embarcações que não dispõem de guindastes próprios). O novo terminal, segundo Rosa, deverá entrar em operação em junho de 2010 – um mês antes do início do pico da safra de açúcar, que acontece entre julho e agosto. A meta da empresa é exportar, pelo menos, 700 mil toneladas no próximo ano.

RECEITA – Os dados em relação à receita cambial gerada pelas exportações de açúcar, em novembro, ainda não estão consolidados. Em outubro, o açúcar teve a segunda maior participação entre os produtos exportados pelo Porto de Paranaguá. Foram embarcadas 407,9 mil toneladas, gerando uma receita de US$ 154,8 milhões ou o correspondente a 16,28% do total. O aumento na receita em outubro deste ano em comparação ao mesmo mês de 2008 foi de 72%.

Já no acumulado de janeiro a outubro, os embarques de açúcar pelo Porto de Paranaguá geraram mais de US$ 1 bilhão – alta de 63,2% em relação à receita acumulada no mesmo período do ano passado e o equivalente a 9,3% de toda receita gerada com as exportações pelo complexo portuário paranaense.

Veja matéria original

COMMENTS