Terminal de cargas terá inauguração oficial

Aeroporto Internacional Pinto Msartins (CE) amplia sua capacidade de movimentação de cargas para exportação e importação

Terminam as obras nos aeroportos de Pato Branco e Realeza (PR)
Viracopos (SP) sofre o maior roubo de toda sua história
Anac reajusta tarifa de embarque de seis aeroportos

Em operação desde julho deste ano, o novo Terminal de Logística de Carga do Aeroporto Internacional Pinto Martins será inaugurado no próximo dia 16. A previsão é que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva participe do evento, que celebra a realização da primeira obra a receber investimentos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) no Ceará.

Segundo o superintendente do equipamento, Sérgio Fernandes Baltoré, a obra amplia a capacidade de movimentação de cargas em cinco vezes, passando de mil toneladas (t) por ano para cinco mil t/ano. Em 2008, o fluxo registrou 3.200 t. “Já operávamos acima da capacidade de movimentação”, explica o gestor. “A tendência é de aumento anual”. Ele diz ainda que 2009 já registra igual fluxo que o ano passado. “E este ano ainda não terminou”, compara, mas não informa os números já alcançados. “O novo terminal de carga vai impulsionar as exportações e importações do Ceará, oferecendo uma maior e melhor infraestrutura para as empresas e colaborando, dessa forma, com o desenvolvimento da economia do Estado”, destaca o superintendente.

Estrutura

Em obras de março de 2004, o edifício tem aproximadamente nove mil metros quadrados de área construída e capacidade de armazenamento para até cinco mil toneladas entre cargas domésticas e internacionais. Além disso, o novo terminal conta com três câmaras frias para frutas, flores e pescados, alguns dos principais itens de exportação do Ceará, e pátio de manobras para até nove aeronaves. Dentre os principais produtos movimentados no ano passado, destacam-se a importação de peças para reposição de máquinas, tecidos, malhas, liga de aço, bobinas, molas, conversores eletrônicos, motor hidráulico e endoscópios.

A maior parte da carga veio dos Estados Unidos, China, Suíça, Itália e Alemanha. No setor de exportação, os produtos mais relevantes foram couros, flores, frutas, redes, peixes ornamentais e calçados, que seguiram com destino aos Estados Unidos, Holanda, Inglaterra, Portugal, França, China e Japão.

Veja matéria original

COMMENTS