Carga internacional pelo País

O mercado de carga feeder no Brasil gira em torno de 500 mil TEUs ( contêineres de 20 pés) por ano

Transportadoras de MT reclamam
Holandeses prospectam negócios no RS
Governo e produtores discutem recuperação de rodovias (MS)

SÃO PAULO, 21 de agosto de 2008 – A Log-In Intermodal estuda a criação de um serviço dedicado para o transporte de carga feeder- distribuição de produtos internacionais em portos brasileiros. O diretor-presidente da empresa, Mauro Dias, explicou que hoje as empresas de navegação de cabotagem do País realizam este serviço mas aleatoriamente. “Com o aumento do combustível, os armadores internacionais estão escalando menos portos no País, o que abre uma enorme oportunidade para as empresas de cabotagem brasileira”, disse Dias.

O mercado de carga feeder no Brasil gira em torno de 500 mil TEUs ( contêineres de 20 pés) por ano. “Queremos crescer mais nossa operação de cabotagem no País e essa é uma oportunidade que não podemos descartar”, ressaltou o executivo.

Dias ressaltou que a Log-In pode até colocar navios dedicados somente para o transporte de carga feeder nos portos brasileiros. “Pela legislação brasileira, temos o direito de afretar pelo menos mais cinco mil TEUs, já que estamos construindo cinco navios no País. Então, temos capacidade para criar essa nova linha de navegação”, explicou Dias.

A Log-in já iniciou junto ao Estaleiro Eisa a construção de cinco navios tipo porta-contêineres, um investimento de cerca de R$ 1 bilhão. “Temos hoje uma capacidade estática de cerca de 8 mil TEUs, distribuídos nos nossos sete navios em operação. Há demanda e capacidade disponível”, ressaltou o executivo. Ele acrescentou que a Log-In realizou, como teste, o transporte de carga feeder neste ano na rota de Santos/Manaus.

Crescimento no ano

Com a operação do novo serviço, a Log-In deverá crescer cerca de 25% neste ano em sua receita, segundo analistas de mercado. No segundo trimestre, a empresa obteve receita operacional bruta de R$ 113 milhões, uma alta de 8,7%. No mesmo período, a companhia registrou lucro líquido de R$ 13,2 milhões ante prejuízo de R$ 7,8 milhões no mesmo período do ano passado.

“O volume neste segundo semestre tende a crescer muito. Nos primeiros seis meses do ano já apresentamos uma elevação de 10% no serviço de navegação costeira. Com o feeder isso pode elevar mais ainda. Estamos confiantes”, afirmou O executivo.

O volume movimentado no segmento apresentou crescimento de 14% em relação ao ano anterior, passando de 19.824 TEUs para 22.590 TEUs. A receita das operações do serviço de navegação costeira totalizou R$ 48,5 milhões, respondendo por 42,9% da receita bruta da Log-In no segundo trimestre deste ano.

A Log-In opera duas rotas de cabotagem no Brasil, uma que liga Fortaleza ao porto de Buenos Aires, passando por todos os terminais do País e uma que vai do Porto de Santos (SP) a Manaus. (Ana Paula Machado – Gazeta Mercantil)

Link para a matéria

COMMENTS