Carga internacional pelo País

O mercado de carga feeder no Brasil gira em torno de 500 mil TEUs ( contêineres de 20 pés) por ano

Iceport entra em operação com primeira carga
Obra do Rodoanel faz Ecovias desviar tráfego
Licença atrasa duplicação de trecho da BR 262

SÃO PAULO, 21 de agosto de 2008 – A Log-In Intermodal estuda a criação de um serviço dedicado para o transporte de carga feeder- distribuição de produtos internacionais em portos brasileiros. O diretor-presidente da empresa, Mauro Dias, explicou que hoje as empresas de navegação de cabotagem do País realizam este serviço mas aleatoriamente. “Com o aumento do combustível, os armadores internacionais estão escalando menos portos no País, o que abre uma enorme oportunidade para as empresas de cabotagem brasileira”, disse Dias.

O mercado de carga feeder no Brasil gira em torno de 500 mil TEUs ( contêineres de 20 pés) por ano. “Queremos crescer mais nossa operação de cabotagem no País e essa é uma oportunidade que não podemos descartar”, ressaltou o executivo.

Dias ressaltou que a Log-In pode até colocar navios dedicados somente para o transporte de carga feeder nos portos brasileiros. “Pela legislação brasileira, temos o direito de afretar pelo menos mais cinco mil TEUs, já que estamos construindo cinco navios no País. Então, temos capacidade para criar essa nova linha de navegação”, explicou Dias.

A Log-in já iniciou junto ao Estaleiro Eisa a construção de cinco navios tipo porta-contêineres, um investimento de cerca de R$ 1 bilhão. “Temos hoje uma capacidade estática de cerca de 8 mil TEUs, distribuídos nos nossos sete navios em operação. Há demanda e capacidade disponível”, ressaltou o executivo. Ele acrescentou que a Log-In realizou, como teste, o transporte de carga feeder neste ano na rota de Santos/Manaus.

Crescimento no ano

Com a operação do novo serviço, a Log-In deverá crescer cerca de 25% neste ano em sua receita, segundo analistas de mercado. No segundo trimestre, a empresa obteve receita operacional bruta de R$ 113 milhões, uma alta de 8,7%. No mesmo período, a companhia registrou lucro líquido de R$ 13,2 milhões ante prejuízo de R$ 7,8 milhões no mesmo período do ano passado.

“O volume neste segundo semestre tende a crescer muito. Nos primeiros seis meses do ano já apresentamos uma elevação de 10% no serviço de navegação costeira. Com o feeder isso pode elevar mais ainda. Estamos confiantes”, afirmou O executivo.

O volume movimentado no segmento apresentou crescimento de 14% em relação ao ano anterior, passando de 19.824 TEUs para 22.590 TEUs. A receita das operações do serviço de navegação costeira totalizou R$ 48,5 milhões, respondendo por 42,9% da receita bruta da Log-In no segundo trimestre deste ano.

A Log-In opera duas rotas de cabotagem no Brasil, uma que liga Fortaleza ao porto de Buenos Aires, passando por todos os terminais do País e uma que vai do Porto de Santos (SP) a Manaus. (Ana Paula Machado – Gazeta Mercantil)

Link para a matéria

COMMENTS