Ford reduz salário de executivos para não pedir ajuda ao governo

Os termos incluem indenizações de até US$ 75 mil , cortes nos benefícios por demissão, e uma redução da contribuição em dinheiro da Ford

Obras não param, apesar da crise
Presidente da Ferroeste defende em São Paulo trem-bala até Curitiba
Preocupação com caos aéreo marcou sabatina de indicados para Anac

O chairman executivo da Ford Motor, Bill Ford, e o principal executivo, Alan Mulally, irão ter uma redução em seus salários de 30% e os funcionários assalariados da montadora abrirão mão dos bônus de 2009, segundo um memorando da companhia.

Autoridades locais do maior sindicato da montadora, United Auto Workers (UAW), também aprovaram as concessões na terça-feira e marcaram o dia 9 de março como data alvo para ratificação dos membros subalternos. Os termos incluem indenizações de até US$ 75 mil , cortes nos benefícios por demissão, e uma redução da contribuição em dinheiro da Ford para um fundo de cuidados com a saúde de aposentados, segundo informou um sumário do sindicato.

As reduções nos pagamentos dos executivos poderão ajudar os líderes do sindicato a persuadir os 42 mil funcionários da montadora, membros do UAW, a aceitar um congelamento de salário e outras concessões de modo que a Ford evite pedir empréstimos ao governo.

“As reduções nos pagamentos indicam que os sacrifícios são compartilhados”, disse Harkley Shaiken, professor na Universidade da Califonia em Berkeley.

COMMENTS