Projeto para desafogar BR-116

A estrada seria uma alternativa de acesso entre o Vale do Sinos e a Capital e, assim como a Rodovia do Parque (BR-448), ajudaria a desafogar a BR-116, na Região Metropolitana

Controle fiscal é destaque no país
Amsted Maxion vende 1.100 vagões para MRS Logística
Helibras investe R$ 420 milhões no Sul de Minas

A Odebrecht promete entregar na primeira semana de setembro ao governo gaúcho o relatório final do modelo da Parceria Público-Privada (PPP) que pode permitir a construção da RS-010, entre Sapiranga e Porto Alegre. A estrada seria uma alternativa de acesso entre o Vale do Sinos e a Capital e, assim como a Rodovia do Parque (BR-448), ajudaria a desafogar a BR-116, na Região Metropolitana.

O secretário estadual de Infraestrutura e Logística, Daniel Andrade, explica que a RS-010, chamada de Via Leste, teria extensão de 40 quilômetros, com pista dupla e quatro faixas. O investimento seria de R$ 800 milhões. A ligação no traçado proposto é entre a RS-239, em Sapiranga, e o entroncamento da freeway (BR-290) com a Avenida Assis Brasil, na Capital. Segundo o coordenador de Projetos de Infraestrutura da Odebrecht, Raphael Margarido, o projeto prevê três praças de pedágio, com tarifa em torno de R$ 1,80.

– É bem mais barato do que é praticado hoje no Estado – justifica.

Margarido diz que a tarifa dependeria do valor da contrapartida que o Estado pagaria periodicamente à empresa que operar a rodovia, pois apenas a receita do pedágio não cobriria os custos de construção e manutenção.

Negócio ainda depende de análise técnica e licitação – O interesse pela obra da rodovia partiu da própria Odebrecht. A empresa procurou o Estado para propor uma PPP, e a governadora Yeda Crusius autorizou o estudo em junho. Após a entrega do relatório, o governo fará a análise técnica do projeto, e o Conselho Gestor de PPPs decidirá sobre a viabilidade. O passo seguinte seria estruturar um fundo garantidor, uma segurança ao investidor privado no caso de o poder público não cumprir a sua parte no contrato. Somente após essa etapa seria aberta licitação para definir a concessionária.

Andrade também assegura que a construção da Via Leste será mais barata em comparação à BR- 448.

– O custo é 50% da Rodovia do Parque – diz, referindo-se ao fato de a estrada a ser construída pelo governo federal ter custo semelhante ao da RS-010, mas com extensão de 22 quilômetros, quase a metade da Via Leste.

Segundo o Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit), R$ 750 milhões já estão alocados para a BR. O prefeito de Sapiranga, Nelson Spolaor (PT), diz ser favorável à cobrança de pedágio no caso de a estrada ser construída pela empresa. Segundo ele, o preço de R$ 1,80, mesmo com três praças em 40 quilômetros, não parece demasiado:

– Será importante também porque integra a malha viária da Região Metropolitana e facilita o acesso a Porto Alegre por desafogar a BR-116.

COMMENTS