Mesmo com crise, vendas crescem 14,1% em 2008

O resultado significa um crescimento de 14,1% sobre os 2.344.279 carros e comerciais leves comercializados em 2007, que havia crescido 27,7% sobre o ano anterior

Perdigão e Sadia concluem plano de sinergia de fábricas
Shell avança em exploração no Brasil
Airbus estima reduzir produção com a queda na demanda mundial

O mercado brasileiro de carros e comerciais leves fechou 2008 com 2.673.713 unidades emplacadas. O resultado significa um crescimento de 14,1% sobre os 2.344.279 carros e comerciais leves comercializados em 2007, que havia crescido 27,7% sobre o ano anterior.

As vendas de caminhões somaram 121.468 unidades, resultando num crescimento de 24%. Os ônibus venderam 27.061 unidades, uma elevação de 18% comparado com 2007.

Mercado total

Somado, o mercado total foi de 2.822.242 veículos. O resultado é o melhor da história, porém ficou abaixo da média das projeções da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), que chegou a apostar num crescimento de 24% do mercado interno, o que resultaria na comercialização de 3,1 milhões de unidades em 2008.

Até setembro, o mercado vinha de recorde seguido de recorde. A crise financeira chegou de vez ao Brasil com a redução drástica dos financiamentos. Nos último trimestre, as vendas despencaram em cerca de 20% em relação ao obtido no mesmo período de 2007. Com isso, ficou impossível romper a barreira dos 3 milhões de veículos.

Em dezembro, houve uma pequena melhora. Foram emplacadas 184.033 carros e comerciais leves, crescimento de 10,7% sobre as 166.363 unidades vendidas em novembro. Só que, comparado a dezembro de 2007, as vendas despencaram 20,5%.

O estoque nas concessionárias e indústria ainda é alto. Algumas montadoras prevêem recuperação do mercado a partir do segundo trimestre. A Volkswagen, por exemplo, acredita num crescimento de 5% nas vendas internas neste ano.

COMMENTS