Dados ruins ampliam pressão sobre montadoras

Fabricantes de veículos comerciais europeias anunciaram na útlima sexta-feira uma queda de 24,4% no mercado em dezembro na comparação anual

Crise econômica já chegou ao bolso do brasileiro, diz economista
Governo do Paraná garante obras de recuperação do aeroporto de Goioerê
Novas praças de pedágio iniciam cobrança no PR

Um alerta de corte de funcionários sem precedentes na Toyota, a maior fabricante automotiva do mundo, e rumores de um possível prejuízo no primeiro trimestre por parte da Volkswagen fizeram com que aumentassem as pressões sobre as montadoras nesta sexta-feira.

As notícias ruins vieram após a suspensão do pagamento de dividendos na última quiinta-feira pela italiana Fiat, a primeira montadora europeia a divulgar resultados de 2008, à medida que rumava para o que chamou de um de seus piores anos.

Em um momento em que o setor automotivo é atingido pela recessão econômica, que leva à queda de demanda e ao corte de produção, analistas do UBS disseram que esperam que as francesas Peugeot Citroen e Renault também suspendam dividendos.

Fabricantes de veículos comerciais europeias anunciaram na útlima sexta-feira uma queda de 24,4% no mercado em dezembro na comparação anual.

A Toyota está considerando demitir empregados de período integral na Grã-Bretanha e na América do Norte, informou à Reuters uma fonte na companhia familiarizada com o assunto.

Apesar dos esforços para limitar os danos decorrentes da crise com corte de produção em suas fábricas, a Toyota ainda enfrenta seu primeiro prejuízo operacional da história da empresa, para o ano que termina em março.

Na Europa, apesar de ser esperado que os resultados de 2008 da Volkswagen sejam melhores que do ano anterior, o vice-presidente financeiro não descartou a possibilidade de a empresa ter prejuízo no primeiro trimestre de 2009.

Hans Dieter Poetsch disse que o mercado global de automóveis poderá encolher 15% este ano, ecoando um alerta recente dado pelo presidente-executivo, Martin Winterkorn, de “tempos críticos por vir”.

Ajuda do estado

O governo dos Estados Unidos prometeu bilhões de dólares para dar apoio ao setor automotivo do país e governos europeus estão se empenhando em planos de ajuda às montadoras atingidas pela crise.

Mas outras empresa têm uma visão diferente sobre a ajuda do Estado. Apesar de seus problemas, a fabricante de carros de luxo britânica Jaguar Land Rover informou que não quer resgate do governo.

E, entrevista à Sky News, David Smith, presidente-executivo da Jaguar Land Rover, uma unidade da indiana Tata Motors, disse que queria que o crédito começasse a fluir novamente, seja por meio de empréstimos diretos ou com respaldo do Estado.

E um senador democrata norte-americano pediu ao presidente Barack Obama que exija que a Chrysler devolva os bilhões de dólares em empréstimos que recebeu do governo, se a Fiat obtiver uma participação controladora da companhia.

A Fiat anunciou uma parceria com a Chrysler na terça-feira em uma ação que deve pressionar outras montadoras a buscar mais alianças para cortar custos diante da queda de vendas, em meio à pior crise a atingir a indústria em décadas.

Uma pequena esperança veio da China, onde a FAW Car, uma unidade da maior montadora da China, registrou um aumento de lucro líquido entre 90 e 120% para 2009.

Link para a matéria

COMMENTS