Rede VW Caminhões abre mais 20 pontos

Presente em 26 estados, a VW conta com 141 concessionárias de caminhões e ônibus, sendo 33 pontos exclusivos para assistência técnica e peças/acessórios e mais de 10 mil profissionais qualificados em vendas e pós vendas

Integrantes da Comissão de Infraestrutira vão a encontro de Temer defender aprovação de novo Plano Nacional de Viação
Avianca garante financiamentos para aviões que vai receber durante 2009
Paraná reduz ICMS para baixar preços de mercadorias aos consumidores

Em 2009 e 2010 a rede de postos assistência técnica (PAT) da Volkswagen Caminhões e Ônibus será ampliada em 20 novos pontos, atingindo 160 no total. “O caminhão vendido no Sul, tem que encontrar atendimento especializado no Norte”, diz o presidente da Associação Brasileira dos Distribuidores Volkswagen Caminhões e Ônibus (Acav), Sérgio Dante Zonta. Segundo ele, um dos grandes diferenciais da Volkswagen e que tem garantido sua boa performance no mercado é o serviço pós-vendas. “É o que mantém o cliente fiel à marca”.

Presente em 26 estados, a VW conta com 141 concessionárias de caminhões e ônibus, sendo 33 pontos exclusivos para assistência técnica e peças/acessórios e mais de 10 mil profissionais qualificados em vendas e pós vendas. “A Acav é o elo de ligação entre as concessionárias e a montadora e vamos trabalhar para que ambas participem dos encontros regionais para saber e discutir os nossos anseios”, afirmou.

A Acav faz o papel de mediadora também nas reivindicações e nas parcerias com os bancos. Junto com a fábrica, a entidade está procurando novos agentes financiadores, além do banco Volkswagen.

Zonta disse que o crédito para o setor não foi muito afetado pela crise financeira global porque 90% das vendas de caminhões são efetuadas via Finame (Agência Especial de Financiamento Industrial) e as regras (juros e prazos para pagamento) permaneceram. “Cerca de 80% de toda a riqueza nacional é transportada via rodoviária e movimentada pelos caminhões”, disse. Segundo ele há ainda um potencial enorme de crescimento do setor, já que no Brasil a idade média da frota é de 15 anos.

Efeitos da crise

Para ele, as montadoras de caminhões foram afetadas pela crise, mas não com tanta rapidez como aconteceu com as indústrias de automóveis. “Para 2009, havia uma projeção de crescimento de 10% na produção de caminhões, que foi revista. Agora, a indústria pretende manter a mesma produção de 2008, de 120 mil caminhões, volume 26% superior ao de 2007.” O empresário afirmou que em 2008 a produção de caminhões no mercado nacional foi um recorde histórico da indústria. “E poderíamos superar esta meta, não fosse a crise financeira”, disse Zonta. .

A Volkswagen é líder no mercado de caminhões se 5 a 45 toneladas. Sua participação é de 31,5% e cresceu 1% até novembro em relação ao segundo lugar. Com 31.779 unidades emplacadas (2.712 unidades à frente da principal concorrente), mantém-se na primeira posição do ranking há cinco anos consecutivos. Apesar disso, enfrenta disputa acirrada com a segunda colocada, a Mercedes-Benz, que responde por 29,5% deste segmento.

A produção brasileira de ônibus fechará o ano com 27 mil unidades e crescimento de 19% em relação a 2007. A Volkswagen detém 35% deste mercado. Para 2009, a previsão é de manutenção do volume de produção de ônibus de 2008.

“O caminhão e o ônibus são ferramentas de trabalho, transportam cargas e pessoas”. Zonta disse que historicamente o mês de dezembro registra queda de vendas do setor, mas que para este ano a previsão é de que o número se mantenha.

Sérgio Zonta, empresário de Blumenau (SC) que foi eleito para o cargo de presidente da Acav na última semana, foi um dos fundadores da associação e é representante da Volkswagen Caminhões e Ônibus desde que ela se instalou no Brasil, em 1980. Em Blumenau (SC), é diretor executivo do grupo W.Breitkopf , que operai três revendas em Santa Catarina – Blumenau, Guaramirim e Rio do Sul.

COMMENTS