Oferta maior de navios fará frete chegar ao menor nível em 8 anos

O Índice Baltic Dry vai alcançar em média 1.184 pontos no segundo semestre, segundo as previsões de Van den Abeele para o terceiro e quarto trimestres deste ano, confirmadas ontem

Petrobras vai importar menos diesel este ano
Comissão aprova fiscalização da gestão do seguro obrigatório
Espanha está de olho em logística do porto

O Índice Baltic Dry Index (BDI, pelas iniciais em inglês), um indicador do comércio mundial, deverá cair 25% no segundo semestre em relação à média deste ano. Isso se dará com a entrada em operação de novas embarcações, o que inchará a oferta, segundo Philippe van den Abeele, diretor executivo, lotado em Londres, do fundo de hedge Castalia Fund Management (U.K.) Ltd.

O Índice Baltic Dry vai alcançar em média 1.184 pontos no segundo semestre, segundo as previsões de Van den Abeele para o terceiro e quarto trimestres deste ano, confirmadas ontem. Esse será o mais baixo total para o segundo semestre dos últimos oito anos.

“Esse fluxo contínuo de novas construções vindo dos estaleiros do Extremo Oriente não vai parar”, disse Van den Abeele, que administra US$ 106 milhões. O fluxo se mantém mesmo com “a desistência ou os atrasos” das encomendas e da demanda chinesa por minério de ferro, disse ele.

O minério de ferro, empregado na produção do aço, é o principal produto de carga seca a gra-nel do transporte marítimo, e a China é a maior produtora de aço do mundo. O país importou 132 milhões de toneladas de minério de ferro no primeiro trimestre deste ano, volume 19% maior que o adquirido no mesmo período do ano passado, mesmo assim “considerado colossal”, disse Van den Abeele.

O Índice Baltic Dry mais do que dobrou este ano, depois do colapso recorde de 92% registrado no ano passado e gerado pela retração da economia. (Gazeta Mercantil/Caderno C – Pág. 5)(Bloomberg News)

COMMENTS