Paranaguá muda para receber cargas de Itajaí

Atualmente, Paranaguá movimenta contêineres em dois berços (espaços onde atracam os navios). Com a ordem, mais duas posições no cais serão direcionadas para esse tipo de carga

Câmara aprova alterações em rodovias de Goiás
Embraer crê em demanda global de 13 mil aviões executivos em 10 anos
TAM e TAP terão parceria em vôos para a Argentina

A Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) formulou uma ordem de serviço para organizar o recebimento de cargas desviadas do Porto de Itajaí, fechado por causa da enchente do Rio Itajaí. O documento, que será assinado hoje durante a Escola de Governo, abre mais espaço para a movimentação de contêineres. Além disso, reserva parte das tarifas pagas pelos operadores portuários para a compra de cestas básicas – as doações serão encaminhadas para os trabalhadores do terminal catarinense.

Atualmente, Paranaguá movimenta contêineres em dois berços (espaços onde atracam os navios). Com a ordem, mais duas posições no cais serão direcionadas para esse tipo de carga. O ajuste é possível porque nesta época do ano há uma demanda menor dos exportadores de grãos e dos importadores de fertilizantes. Além disso, os navios que não podem parar em Itajaí serão encaixados em intervalos da janela de atracação – o sistema que organiza a ordem de entrada das embarcações no Canal da Galheta, que dá acesso ao porto.

Com o ajuste, a Appa espera registrar um aumento de 10% no movimento de contêineres, único tipo de carga operado em Itajaí. Passam por Paranaguá cerca de 50 mil TEUs (unidade que corresponde a um contêiner pequeno, de 20 pés) por mês. No fim de semana, dois navios que deveriam parar em Itajaí passaram pelo porto paranaense, onde movimentaram 800 contêineres.

A ordem de serviço da Appa também separa 15% das tarifas portuárias para a compra de cestas básicas para os trabalhadores do Porto de Itajaí. Uma conta preliminar aponta para uma arrecadação de R$ 1 milhão em seis meses.

COMMENTS