Aeroporto de cargas despachou cinco toneladas de confecções no primeiro dia

A chegada do avião marcou o início das operações internacionais do Aeroporto Regional de Maringá e foi prestigiada por dezenas de pessoas

Mato Grosso terá 221 radares de monitoramento
Infraero investe R$ 1,1 milhão em wireless
Delta terá nova linha de Fortaleza para os EUA

Depois de receber o primeiro voo internacional de cargas vindo de Miami, o mesmo avião que aterrissou no Aeroporto Silvio Name Junior, em Maringá, na tarde desta terça-feira (11), partiu levando cinco toneladas de confecções. O produto industrializado na região e exportado para os Estados Unidos está avaliado em cerca de R$4 milhões. A aeronave seguiu para o Aeroporto de Viracopos, em Campinas, onde completaria a carga antes de retornar para Miami.

A chegada do avião marcou o início das operações internacionais do Aeroporto Regional de Maringá e foi prestigiada por dezenas de pessoas. A aeronave chegou com um carregamento de 38 toneladas de equipamentos eletrônicos e de informática. “Na maioria comprada por empresários aqui mesmo da região de Maringá”, explicou Marcos Valêncio, superintendente do Silvio Name Junior.

A partir de agora as chegadas de aviões com cargas internacionais devem ser intensificadas. “Em princípio será de 15 em 15 dias, mas logo chegaremos a voos três vezes por semana. Muitos empresários estavam apenas esperando a concretização dessa etapa para fecharem negócios. Já sentimos um bom aumento na demanda”, disse Valêncio.

A administração trabalha com a previsão de que, em até seis meses, o transporte de cargas passe a movimentar R$ 90 milhões por mês no aeroporto da cidade.

O terminal de Maringá estava habilitado desde 2007 pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para o tráfego aéreo internacional de cargas.

Para ser elevado à categoria internacional o aeroporto passou por uma série de adequações, entre elas a construção de um Terminal de Cargas com toda a infraestrutura necessária para abrigar os órgãos federais e receber e enviar mercadorias.

Veja matéria original

COMMENTS