Michelin ampliará capacidade no Brasil

Para atender a grande demanda do mercado brasileiro, a Michelin já ampliou a capacidade de produção de pneus de automóveis na sua fábrica de Itatiaia (RJ), de 1 milhão para 2 milhões de unidades por ano

ANTAQ aprova proposta de norma para TUP
Construir veículos é negócio de alto risco
Tarifa mínima em voo internacional poderá acabar

Apesar das incertezas do mercado automotivo por causa da escassez de crédito, a Michelin, fabricante de pneus, confirmou ontem que mantém os planos de ampliar a capacidade de pneus de automóveis e de picapes no Brasil para atender o mercado brasileiro e o Mercosul. A empresa ainda não definiu o valor do investimento e nem o local onde construirá sua nova fábrica no País. “A crise está forte na América do Norte e na Europa, mas a matriz está confiante que não haverá recessão no Brasil”, disse Nour Bouhassoun, diretor de marketing e vendas de pneus de carga da Michelin América do Sul. “Os planos da companhia visam o longo prazo”.

Para atender a grande demanda do mercado brasileiro, a Michelin já ampliou a capacidade de produção de pneus de automóveis na sua fábrica de Itatiaia (RJ), de 1 milhão para 2 milhões de unidades por ano.

Já na fábrica de Campo Grande, também no Rio de Janeiro, onde a capacidade atual de produção de pneus de carga é de cerca de 1,5 milhão de unidades, a empresa vai aumentar o volume para 2,3 milhões de pneus por ano até 2010. “O investimento de US$ 1 bilhão programado para o período de 2005 até 2011 para ampliar a capacidade e trazer novas tecnologias para o Brasil está mantido”, destacou Bouhassoun.Alheia à crise financeira internacional e confiante na estabilidade econômica do Brasil, a Michelin está utilizando o máximo da capacidade das suas fábricas, com jornada de trabalho ininterrupta durante os sete dias da semana. “Só vamos parar no Revéillon e no Carnaval para fazer a manutenção dos maquinários”, disse Bouhassoun.

O diretor da empresa informou que ainda não recebeu comunicado dos seus clientes sobre férias coletivas. Tanto a Mercedes-Benz quanto a Volkswagen Caminhões, os maiores clientes da empresa, não reduziram a produção de caminhões no País. “Não temos estoque nas fábricas e, se houver férias nas montadoras, vamos estudar formas para reduzir a nossa produção”, disse Bouhassoun.

Ontem a Michelin lançou no mercado brasileiro novo pneu de carga XTE2 série 70 para aplicação em semi-reboque. “É o primeiro pneu que a empresa faz para este segmento. O novo modelo é 10 cm mais baixo e pesa 10 quilos menos que o modelo convencional e, além disso, é 10% mais barato, o que ajudará o Brasil e diminuir o custo com logística”, comentou o diretor da Michelin.

O novo pneu da Michelin foi produzido para atender exclusivamente o mercado brasileiro. “Mas temos planos de exportar para os países da América do Sul”, disse Bouhassoun.

Além de atender o mercado nacional, a Michelin também exporta os pneus fabricados no Brasil para os países da América do Sul, para atender as montadoras e o mercado de reposição.

Para a Europa a empresa envia pneus de alta performance para equipar os carros da Porsche, Mercedes-Benz e Audi. “O segmento de carros de luxo teve menos impacto na Europa com a crise financeira”, comentou o executivo.

A expectativa de Bouhassoun é que 2009 seja igual a este ano. O faturamento da empresa, que em 2007 foi de US$ 1,3 bilhão deverá crescer 10% neste ano.

COMMENTS