Dragagem total de Itajaí vai até fevereiro

O porto em questão foi parcialmente destruído por conta das chuvas que tomaram Santa Catarina me novembro passado

Viracopos vê alta de 243% apenas no mês de agosto
Argentinos é que devem acelerar liberação de licenças, e não brasileiros, diz ministro
Lula critica taxações sobre etanol e pede que países produzam biocombustíveis

Parte das obras de aprofundamento do canal (dragagem) no Porto de Itajaí estarão prontas ainda este mês, de acordo com o coordenador técnico dos trabalhos, Octavio Bertacin. O porto em questão foi parcialmente destruído por conta das chuvas que tomaram Santa Catarina me novembro passado.

“A expectativa é entregar o canal externo com as características originais até o fim do mês”, afirmou o executivo, ao informar também que o restante da dragagem, na bacia de evolução e no canal interno, deve ser concluído no mês que vem, totalizando 50 dias de antecipação em relação ao prazo fornecido pela Secretaria Especial dos Portos (SEP).

As embarcações (dragas) executoras dos trabalhos chegaram atrasadas ao porto, mais consórcio vencedor da licitação emergencial da SEP, formado pelas empresas EIT Empresa Industrial Técnica S/A, DTA Engenharia Ltda, Equipav S/A Pavimentação e Comércio e a CHEC Dredging, esta última representante da chinesa Shangai Dredging, conseguiram adiantar o andamento das obras. A SEP propôs desembolsar cerca de R$ 27 milhões, pela dragagem em Itajaí, porém o consórcio vencedor, levou a concorrência pelo valor de R$ 17,5 milhões, sendo a proposta 60% mais barata do que a do segundo colocado. O grupo vencedor disponibilizou duas dragas para a realização do aprofundamento, uma menor com capacidade de aspirar três mil metros cúbicos e outra bem superior com mais de 13 mil metros cúbicos, que vieram de outras obras .

Trabalhos

Apesar das obras correrem em ritmo acelerado, o coordenador técnico salientou que a ainda não tem uma idéia do que está armazenado no fundo do canal que dá acesso aos portos. (o porto de Navegantes fica na outra margem), o que pode trazer surpresas no andamento. “Ainda não sabemos se os escombros do cais, por exemplo, continuam no lugar ou foram levados pela correnteza. Sabemos que a maioria do material depositado veio dos deslizamentos que ocorreram rio acima”, disse. (Fabíola Binas-DCI)

Link para a matéria

COMMENTS