Setor aéreo pede crédito do governo para formar pilotos

O presidente da Abag (Associação Brasileira de Aviação Geral), Rui Thomaz de Aquino, afirmou que a associação está trabalhando em parceria com a Fiesp em um projeto para tentar equacionar o déficit de mão-de-obra no setor

Safra de cana-de-açúcar cresce 13,9% em 2008
Petrobras Biocombustível passa a ter 50% de participação em usina de biodiesel no Paraná
Governo assinará plano de intenção para criação do ferroanel esta semana

O setor aéreo apresentará ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, em 16 de setembro, uma proposta de financiamento para a formação de pilotos no país. O presidente da Abag (Associação Brasileira de Aviação Geral), Rui Thomaz de Aquino, afirmou que a associação está trabalhando em parceria com a Fiesp em um projeto para tentar equacionar o déficit de mão-de-obra no setor, que inclui estímulos para a formação de mecânicos e pilotos.

Segundo a presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Graziela Baggio, existem hoje cerca de 600 pilotos brasileiros trabalhando em linhas regulares no exterior. O número ganhou fôlego após a crise da Varig, em 2006. Diante da falta de vagas no mercado brasileiro à época, muitos pilotos foram atraídos pelas condições de trabalho oferecidas por empresas da Ásia e do Oriente Médio.

A saída de profissionais coincidiu com o período de aumento do número de pessoas que viajam de avião no país. Em 2007, a demanda no mercado doméstico cresceu 11,9%. No primeiro semestre deste ano, a alta ficou em 10,8%.

COMMENTS