MAN Latin America vende 860 caminhões para Exército brasileiro

Unidades do modelo VW Worker 15.210 4x4 vão rodar o Brasil transportando tropas em missões do Exército

ID Logistics estuda plano de aquisições para impulsionar crescimento
Gol compra Webjet e ameaça liderança de mercado da TAM
BR Partners realiza associação com o Grupo Sequoia

vw-exercito-man

A montadora MAN Latin America, fabricante dos veículos comerciais Volkswagen e MAN, fornecerá 860 caminhões ao Exército brasileiro. Negócio firmado representa o maior lote da licitação. A assinatura do contrato está prevista para as próximas semanas. O valor da aquisição não foi divulgado.

O acordo firmado deve acelerar a renovação de frota das Forças Armadas no Brasil. Ao todo, serão 860 unidades do modelo VW Worker 15.210 4×4, que vão rodar o Brasil transportando tropas em missões do Exército.

Após a entrega o novo lote, a frota Volkswagen no Exército Brasileiro chegará ao patamar de cinco mil veículos, consolidando a MAN Latin America.

Desenvolvido especialmente para atender às necessidades do Exército, o VW Worker 15.210 4×4 é do tipo operacional militarizado, com tração integral capaz de transportar até cinco toneladas em qualquer tipo de terreno.

Além do transporte de tropas em ações especiais, a montadora já forneceu caminhões em configurações especiais para o combate à seca no Nordeste. E há ainda caminhões da marca utilizados em missões de paz da ONU (Organização das Nações Unidas), em países como o Haiti.

Os caminhões Volkswagen e MAN passam por situações extremas durante diversos testes de rodagem realizados pelas Engenharias da fábrica da MAN, em Resende (RJ), e em Munique, na Alemanha, além dos rigorosos processos de homologação realizados pelas Forças Armadas do Brasil.

A homologação incluiu rodagens por terrenos arenosos, alagados e com lama, além de manobras de embarque aéreo e marítimo, transporte de pontes, uso de biodiesel em mistura B2 (2% de mistura ao diesel convencional) e até testes de balística, conferindo a resistência da cabine a estilhaçamentos.

COMMENTS