Vendas de implementos para segmento pesado cresce 23,8% em 2013, segundo Anfir

Segmento leve subiu 12,34% nas vendas dos cinco primeiros meses do ano, em comparação com o mesmo período de 2012

Setor de implementos rodoviários prevê retração em 2014
Indústria de implementos rodoviários apresenta leve avanço no 1º semestre de 2013
Programas de renovação de frota e Mais Alimentos incluem implementos rodoviários

implementos-rodoviarios

Segundo a Anfir (Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários), a recuperação de mercado da indústria de implementos rodoviários segue com o Segmento Pesado somando aumento de 23,85% em 2013 sobre o mesmo período do ano passado. O Segmento Leve totalizou acréscimo de 12,34% nas vendas, ainda abaixo do mesmo volume registrado nos cinco primeiros meses de 2012.

“O resultado das vendas do segmento de Reboques e Semirreboques aponta de forma clara para crescimento o que é bastante positivo para as empresas que atuam nesse setor”, diz Alcides Braga, presidente da Anfir.

O segmento pesado totalizou 26.419 unidades comercializadas de janeiro a maio de 2013, ante 21.331 produtos no mesmo período do ano passado. Dos 15 produtos classificados pela Anfir, somente quatro ainda não apresentam resultado positivo.

A decisão do governo federal de por em prática o programa de concessões, com estimativa de início para setembro, refletirá nos negócios desse segmento. O programa, com investimentos da ordem de R$ 489 bilhões, será responsável pela implantação de grandes obras logísticas.

“Em todas essas atividades de grande porte há necessariamente a presença do implemento rodoviário seja transportando insumos seja atuando diretamente nos canteiros de obra”, assinala o presidente da Anfir.

O segmento leve registrou de janeiro a maio 42.547 unidades vendidas, contra 48.539 do mesmo período de 2012. Para o presidente da Anfir a explicação pode estar na falta de linhas de crédito que possam ser usadas pelos clientes dessa faixa de mercado.

“Quem adquire o implemento Leve costuma ser o empresário de pequeno porte e, por vezes, até o autônomo. Ambos não têm acesso a linha de crédito do PSI/Finame por faltarem as garantias necessárias exigidas pelo banco”, explica Braga.

COMMENTS