Pará receberá cerca de R$ 1 bilhão em investimentos para transporte hidroviário

Será incluído no PAC II o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das hidrovias Teles Pires-Juruena-Tapajós, da Hidrovia de Tocantins e do Porto de Miritituba

Governo estuda diminuir frota de caminhões autorizados a realizar frete
Governo decide manter permanentemente desoneração da folha de pagamentos
Principais rodovias paulistas terão monitoramento eletrônico OCR

O Ministério dos Transportes afirmou que autorizará a inclusão na segunda versão do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) do Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental das hidrovias Teles Pires-Juruena-Tapajós, da Hidrovia de Tocantins e do Porto de Miritituba. Também será incluída a instalação de 13 terminais de passageiros e cargas mistas no Estado do Pará.

O senador Flexa Ribeiro apresentou o projeto em 2007 e virou lei em 2010. Ao todo, estima-se um investimento de cerca de R$ 1 bilhão nas obras.

“O Pará vem tentando ao logo dos anos a melhoria do modal hidroviário da região. Este é um momento histórico para o Estado do Pará, pois teremos a oportunidade de deslanchar ainda mais nossa economia”, afirma Abraão Benassuly, Presidente da Companhia de Portos e Hidrovias do Pará (CPH).

O sistema hidroviário é responsável por 55% do volume de transporte de carga no Estado. Com as obras previstas pelo PAC II, estima-se que esse índice suba para 80%.

“O Estado só tem a ganhar com este projeto. Com a melhoria no sistema hidroviário teremos a redução nos custos para transporte de cargas e redução também no custo para transporte de passageiros. A consequência disso tudo se vê nas prateleiras, com o cidadão comprando produtos mais em conta”, afirma o presidente da CPH.

Com a Hidrovia Teles Pires-Jurena-Tapajós, a previsão é de que cerca de 100 milhões de toneladas de soja e minério sejam transportadas anualmente. Com a implantação da Hidrovia de Tocantins, a exportação será expandida.

“Através do transporte ferroviário, a região sul tem uma movimentação de dois milhões de toneladas por mês. Com implantação da hidrovia local, este número pula para 20 milhões”, afirma Abraão.

Atualmente, a CPH encontra-se em processo de reestruturação. “Nosso objetivo é trabalhar na reestruturação da companhia, na produção do planejamento estratégico entre outras ações, para que possamos em parceria com a Secretaria de Transportes, Secretaria de Integração Regional e governo federal gerenciar todo esse processo da melhor forma possível”, afirma o presidente.

Além disso, há também as instalações e manutenções de 13 terminais de passageiros e cargas mistas no Pará, que estarão localizados nos municípios: Abaetetuba, Cametá, Viseu, Augusto Corrêa, Altamira, Belém, Bragança, Conceição do Araguaia, Juruti, Óbidos, Oxiriminá, São Miguel do Guamá e Tuuruí.

Com informações da Agência Pará de Notícias

COMMENTS