BR-364 não será mais fechada durante o inverno acreano

BR-364 não será mais fechada durante o inverno acreano

43 anos após a inauguração da rodovia, governo permitiu o tráfego de veículos com PBT de sete toneladas até o município de Cruzeiro do Sul

Acre investirá R$ 13,5 milhões no Polo Logístico de Rio Branco
DNIT autoriza elaboração do projeto do primeiro acesso por terra ao Acre
TNT oferece ajuda aos moradores de Rio Branco (AC) após alagamento

No final de outubro, o governador do Acre, Tião Viana anunciou oficialmente que a BR-364, rodovia que liga todas as regiões do Estado, não irá mais ser fechada durante o período do inverno.

Ao longo de 43 anos, a estrada foi sinônimo de problemas durante o inverno acreano, período de muita chuva. Por conta da geografia local e da falta de infraestrutura, trafegar pela rodovia era impraticável, e, por isso, ela permanecia fechada, ilhando por quase seis meses praticamente a metade do Estado.

Com todos esses entraves, o abastecimento desta região era complexo e bastante oneroso. A entrega dos produtos só podia ser realizada por meio aéreo ou fluvial, o que elevava demais o valor do produto. O quilo do tomate, por exemplo, chegava a custar R$ 8,00 no inverno. Já no verão, o preço caía para R$ 2,30.

Caminhões pesados tiveram até o dia 25/10 para transportar mercadorias até Cruzeiro do Sul, segunda maior cidade acreana, e até o dia 30/10 para retornar pela BR-364. Desde 1/11, está permitida na BR-364 o tráfego de carros leves, ônibus e veículos com peso bruto total de sete toneladas, que corresponde a um caminhão 3/4 com quatro toneladas de carga.

O governo do Acre chegou a sugerir aos transportadores de cargas que montassem uma base logística na cidade de Feijó para fazer o cross docking das cargas.

“Os caminhões menores cruzam o trecho, que não poderá ser atravessado por veículos muito pesados. Essa é uma alternativa para não atrapalhar o abastecimento, e a medida é necessária para que a gente garanta a conclusão da obra no próximo ano e preserve a trafegabilidade na estrada durante todo o período”, disse o diretor do Deracre (Departamento de Estradas de Rodagem do Acre), Marcus Alexandre.

Segundo o empresário Jardel Pires, da Transpacífico, transportadora especializada em operações na região Norte, haverá uma melhoria muito significativa para o consumidor local e para a região em si. “Isso também vai nos beneficiar nos acordos com os clientes de São Paulo, porque é muito difícil eles entenderem esta logística. Porque, dependendo do momento, você tinha duas tarifas. Durante três meses era uma tarifa, e nos outros nove meses do ano era outra tarifa, que juntava a rodoviária e aérea. Agora a gente pode trabalhar com uma única conta para o ano inteiro. E vai ficar mais fácil até no âmbito comercial”, diz Jardel.

Jardel ainda fala da questão dos preços. “Agora com certeza vão cair. Não tem mais desculpas para o comerciante, porque não tem mais a alta do frete, então a diferença não pode ser tão grande como sempre foi”, conta o empresário amazonense.

A BR-364 é considerada uma das estradas federais que oferecem maior risco à vida dos usuários. O trecho da rodovia que passa por obras tem 792 km de extensão total dentro do Acre. A última cidade do trecho é Cruzeiro do Sul. Confira no mapa abaixo:

Nos últimos quatro anos foram investidos R$ 1,1 bilhão na BR-364. Neste ano os investimentos foram de aproximadamente R$ 300 milhões.

Colaborou nesta matéria: Fernanda de Campos

COMMENTS