União descarta mais uma vez hidrovia Teles-Pires/Tapajós

Mesmo com a certeza do Ministério da Agricultura de que importantes obras de infraestrutura para o escoamento da produção serão incluídas no PAC 2, a União ratificou mais uma vez que a construção da hidrovia Teles Pires/Tapajós não integrará a segunda fase do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC 2)

Avião da azul
Union pode levar terminal no Porto de Santos
Norma da Receita que proíbe cobrança de IR sobre dez dias de férias está no Diário Oficial

A 8ª reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva da Soja, em Brasília, ontem, teve um gostinho amargo aos ruralistas mato-grossenses. Mesmo com a certeza do Ministério da Agricultura de que importantes obras de infraestrutura para o escoamento da produção serão incluídas no PAC 2, a União ratificou mais uma vez que a construção da hidrovia Teles Pires/Tapajós não integrará a segunda fase do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC 2).

“O governo deixa bem claro que hidrovia não é prioridade. Mas continua como bandeira para nós produtores, pois em alguns casos o custo de produção pode reduzir acima de 50%”, frisa o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado (Aprosoja/MT), Glauber Silveira. Segundo ele, a possibilidade de estudos de viabilidade sobre o rio Juruena foi sinalizada. O rio, que alguns quilômetros a frente se torna Teles Pires, no norte do Estado, teve importante papel no escoamento de diamantes no século XIX.

De concreto da reunião, além do descarte da hidrovia que ligaria o norte do Mato Grosso a Santarém (PA), foi a construção da ferrovia de Integração Centro-Oeste, que liga Uruaçu/GO a Lucas do Rio Verde/MT, as ampliações nos portos de Santarém/PA e Itaqui/MA, eclusas no rio Tocantins, construção da BR 242, que liga o município de Sorriso a Ribeirão Cascalheira/MT e a pavimentação da BR 080, que interliga a BR-158 (nordeste de MT) à BR-163 (centro de MT).

Link para a matéria original

COMMENTS