TJ suspende contrato de radar em Curitiba

Aditivo que permitia à Consilux administrar sistema de fiscalização da cidade é ilegal, segundo desembargadores

BNDES faz financiamento a fundo perdido para incrementar transporte aéreo
Porto de Santos terá obras de dragagem concluídas em 2011
Polícia registra mais flagrantes de irregulares no PR do que SP

Uma decisão em caráter liminar da 4.ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Paraná suspendeu ontem, por tempo indeterminado, o contrato entre a prefeitura de Curitiba e a Consilux, empresa que opera os radares nas ruas da capital. Os desembargadores acataram por unanimidade o pedido de suspensão feito pelo Ministério Público do Estado do Paraná.

A promotoria entrou na Justiça por acreditar que a extensão do contrato entre as partes é ilegal. A Consilux opera os radares em Curitiba há 11 anos, desde 1998. Passou por um novo processo licitatório em 2004. Depois disso, a prefeitura prorrogou sucessivamente o contrato por meio de aditivos.
O problema é que a legislação brasileira prevê a extensão por no máximo 60 meses. O Minis­tério Público aponta ilegalidades no último aditivo do contrato, feito em abril, que prorrogou a vigência do serviço por mais um ano. A Urbs afirma que prorrogou o contrato porque se tratava de uma situação “excepcional”, mas os promotores dizem que a situação de excepcionalidade não teria sido comprovada. Segundo a ação, a favorecida com a prorrogação foi a Consilux. Ainda de acordo com o Ministério Público, “somente em 2009, às vésperas do término do prazo de 60 meses do contrato”, foram lançadas novas licitações.

A Urbs alega que a prorrogação foi feita pela impossibilidade de concluir a escolha de nova empresa antes do término do contrato. A licitação para o serviço de radares e lombadas eletrônicas foi aberta em fevereiro deste ano. O processo prevê o aumento no número de radares dos atuais 110 para 140, dos quais 70 irão também registrar avanço de sinal, parada sobre a faixa de pedestres e conversão proibida.

A escolha está na fase de testes nas ruas dos equipamentos das empresas concorrentes. A análise termina nesta sexta-feira e a próxima etapa é de abertura dos envelopes dos preços oferecidos.

Sete empresas participam da licitação dos radares e outras seis propostas foram apresentadas na licitação de lombadas eletrônicas. A Consilux participa de ambas as licitações. O advogado da Consilux, Aureliano Caron, disse que teve conhecimento da decisão de ontem, mas afirmou que a empresa só irá se manifestar depois que souber o conteúdo.

Dúvidas

A decisão de ontem ainda não foi publicada. As partes só irão se manifestar após o acórdão ser oficializado, quando a decisão passa a valer. Os votos a favor partiram das desembargadoras Regina Afonso Portes e Maria Aparecida Lima e do juiz Eduardo Sarrão.

A Urbs prefere não se manifestar até ser notificada oficialmente e não informou como ficará o sistema de radares em Curitiba. Também não falou sobre as multas aplicadas desde abril deste ano, quando foi assinado o adivito que o tribunal suspendeu ontem. (Bruna Maestri Walter-Gazeta do Povo-PR)

Veja matéria original

COMMENTS