Redução de imposto sobre trigo para conter inflação do pão é aprovada

Fica estendido de 31 de dezembro de 2008 a 30 de junho de 2009 a data final de vigência da alíquota zero do PIS/Pasep e da Cofins

Austrian Airlines anuncia que irá retirar 12 aeronaves de sua frota
Sem controle, cargas excedem peso em BRs
Serra diz que taxa básica de juros dificulta no enfrentamento da crise

O Plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (27) o Projeto de Lei de Conversão (PLV) 23/08, originário da Medida Provisória (MP) 433/08, que temporariamente reduz a zero as alíquotas da Cofins e do PIS/Pasep incidentes sobre as matérias-primas usadas na fabricação do pão comum (trigo in natura, farinha de trigo e pré-misturas).

De acordo com o texto, modificado pela Câmara, fica estendido de 31 de dezembro de 2008 a 30 de junho de 2009 a data final de vigência da alíquota zero do PIS/Pasep e da Cofins. A exposição de motivos da MP, encaminhada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, diz que a medida “ajudará a conter a inflação e a garantir o abastecimento de pão comum na mesa dos brasileiros mais pobres”.

O benefício abrange as operações de importação e de comercialização no mercado interno, sobre as quais incide alíquota de 9,25%. Com a medida, o governo pretende reduzir os custos das empresas de panificação, evitando que as altas dos preços do trigo e do petróleo no mercado internacional sejam repassadas para o pão francês e aumentem a inflação.

As empresas também não precisarão mais recolher o Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante no transporte de trigo in natura e de farinha de trigo. Atualmente, a alíquota do adicional varia conforme o tipo de navegação. Segundo o governo, a renúncia fiscal estimada é de R$ 600 milhões em 2008 e deverá ser compensada por um decreto de execução orçamentária.

Emendas

Três emendas foram apresentadas pelo relator-revisor no Senado, Cícero Lucena (PSDB-PB). A primeira exclui do benefício a farinha de trigo destinada à fabricação de biscoitos e massas alimentícias e determina que o produtor, ao destinar a matéria-prima para finalidade diversa, deverá honrar os tributos não pagos, acrescidos de juros e multa de mora.

A segunda prevê a não-incidência, na importação e na venda de querosene de aviação, da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins, quando o combustível for destinado ao transporte aéreo internacional, para “eliminar os tributos incidentes sobre o combustível destinado ao abastecimento das aeronaves em viagens internacionais, além de proporcionar melhores condições de concorrência entre as empresas aéreas nacionais e estrangeiras em vôos internacionais”.

A terceira emenda promove ajuste na forma de tributação do álcool. A matéria retorna à Câmara para apreciação das emendas. (Elina Rodrigues Pozzebom / Agência Senado)

Link para a matéria

COMMENTS