UFRJ inaugura laboratório voltado ao pré-sal

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, afirmou que o novo laboratório terá papel essencial nos testes de exploração do petróleo da camada pré-sal

Panalpina cresce 35% no semestre
Crise financeira provoca paradas em fábricas
Grupo da CDH reúne-se nesta segunda-feira para discutir condições de trabalho dos motoristas profissionais

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) inaugurou na semana passada, em parceria com a Petrobras, um laboratório para testar a corrosão e a soldagem em equipamentos e materiais que serão utilizados na exploração do petróleo da camada pré-sal. O Laboratório de Ensaios Não Destrutivos, Corrosão e Soldagem teve investimento de R$ 40 milhões da Petrobras e do Fundo CT-Petro, da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, afirmou que o novo laboratório terá papel essencial nos testes de exploração do petróleo da camada pré-sal. Os testes de extração no megacampo petrolífero de Tupi, que tem grande reserva de petróleo na camada geológica, começaram oficialmente na última sexta-feira.

O laboratório, que funcionará no Programa de Pós-Graduação em Engenharia da UFRJ (Coppe), é um dos mais avançados do mundo nessa área, segundo Carlos Tadeu Fraga, gerente executivo do Centro de Pesquisa da Petrobras (Cenpes), parceiro da Coppe no projeto. “Semelhante a este laboratório, não existe nenhuma instalação no mundo, mesmo no Hemisfério Norte. É um laboratório que vai nos permitir simular o comportamento de diversos materiais submetidos a condições diferentes de pressão, temperatura, presença de fluidos corrosi-vos”, afirma Fraga. “Seria possível simular, em um tempo curto, o comportamento desse material ao longo de toda a vida produtiva de um poço ou de uma instalação”, acrescentou o especialista do Cenpes.

Fraga acredita que o laboratório não só beneficiará a Petrobras como também contribuirá para o desenvolvimento do conhecimento nacional sobre o assunto. De acordo com a Coppe, o laboratório, na verdade, é a junção de três laboratórios menores, que funcionavam separadamente na UFRJ. Segundo o coordenador de Tecnologia e Inovação da Coppe, Segen Stefen, o local não servirá apenas para fazer testes em materiais, mas também será usado para formar pessoal e desenvolver novas pesquisas.

Ainda segundo a Coppe, um dos principais problemas para a indústria do petróleo é a corrosão pelo componente H2S, que danifica os equipamentos usados na extração do óleo. Na camada pré-sal, o problema é ainda maior.

COMMENTS