Suape terá estaleiro de US$ 350 milhões

O acordo foi firmado no escritório de Houston (Texas), da SBM Off Shore NV, de origem holandesa, líder mundial na fabricação de sondas e que irá transferir a tecnologia para o novo estaleiro

Volks e Porsche acertam fusão e marcas ficam independentes
Montadoras cortam 25% de pedidos e 35 fornecedores param
Mesmo com crise, montadoras investem

Depois do Estaleiro Atlântico Sul (EAS), um novo estaleiro poderá ser implantado no Complexo Industrial e Portuário de Suape, em Pernambuco. Ontem, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, assinou nos Estados Unidos (EUA) um protocolo de intenções com as construtoras Galvão Engenharia e a Alusa garantindo a cessão de uma área de 75 hectares na Ilha de Tatuoca, o mesmo local do EAS, para o empreendimento – orçado em US$ 350 milhões.

O acordo foi firmado no escritório de Houston (Texas), da SBM Off Shore NV, de origem holandesa, líder mundial na fabricação de sondas e que irá transferir a tecnologia para o novo estaleiro. As coreanas Komac e Samgdong são parceiras do projeto. A primeira irá fornecer a planta industrial e a segunda será responsável pelo gerenciamento da construção.

“A SBM analisou as outras opções e indicou que o investimento fosse feito em Pernambuco por conta da infraestrutura já existente e de um futuro promissor que o Porto de Suape tem pela frente. O que está sendo feito hoje no estado pode ser comparado ao que foi feito em Abu Dhabi e em Cingapura”, afirmou o vice-presidente da SBM Off Shore, Fernando Frimm. O secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Fernando Bezerra Coelho, disse que o início das obras depende do consórcio, formado entre a Galvão Engenharia e a Alusa, ganhar a licitação da Petrobras para a construção de novas sondas de petróleo. A expectativa é que a concorrência aconteça dentro de 60 dias. “Com o novo estaleiro devem ser gerados 2,5 mil empregos”, diz o secretário, assegurando que o projeto terá os mesmos incentivos fiscais oferecidos ao EAS que permite a isenção total do ICMS na aquisição de produtos da cadeia da indústria naval que vem se formando em Pernambuco e nas vendas dos navios, plataformas (ou partes) e outros produtos que irá fabricar.

As primeiras sondas devem ser entregues no final de 2011. As perfuratrizes serão utilizadas na prospecção de petróleo e são capazes de avançar 12 km em direção ao fundo do mar. Serão produzidas também embarcações do tipo supply boats (barcos de suprimento), responsáveis pelo transporte de comida, água e peças para as plataformas instaladas em alto mar. O tamanho destas embarcações chega a 150 metros, enquanto a capacidade de transporte varia entre 3,5 mil e 40 mil toneladas.

COMMENTS