Licitações aquecem ferroviário e regra para trem-bala sai em junho

O esperado projeto do trem de alta velocidade (TAV), conhecido como "trem-bala", que ligará São Paulo ao Rio de Janeiro, já despertou o interesse de empresas de seis países e governos, segundo Paulo Sérgio Passos, secretário executivo do Ministério dos Transportes

Venda de veículos cresce, mas situação de máquinas agrícolas preocupa
Petrobras vai importar menos diesel este ano
Santos Brasil abre com perda a safra de balanços trimestrais

A disputa pelas licitações do setor ferroviário cresce a cada concorrência, mesmo em tempos de turbulência econômica. O esperado projeto do trem de alta velocidade (TAV), conhecido como “trem-bala”, que ligará São Paulo ao Rio de Janeiro, já despertou o interesse de empresas de seis países e governos, segundo Paulo Sérgio Passos, secretário executivo do Ministério dos Transportes. Para ele, o edital do leilão sairá perto do dia 15 de junho. “Com isso faremos o leilão no início do segundo semestre de 2009”, comentou.

Passos revelou que tem interesse no trem-bala grupos da Coreia do Sul, Japão, Alemanha, França Itália, e, mais recentemente, da China. Multinacionais como Alstom e Siemens, além da China Railway Materials (CRM), estatal do setor de transportes, crescem o olho no projeto de US$ 11 bilhões.

O secretário informou que os estudos de viabilidade serão liberados em abril, quando o governo revelará qual traçado deseja para o trem. No mesmo dia, o levantamento técnico irá a audiência pública, com a expectativa de que seja encaminhado ao Tribunal de Contas da União (TCU) em maio. O traçado definido será um referencial e os proponentes poderão fazer adaptações, dentro de limites determinados. Além das paradas nas capitais e a extensão até Campinas, o trem poderá chegar em São José dos Campos.

Ele esclareceu que os planos não mudaram: o TAV São Paulo-Rio será construído e operado pelo setor privado. “Não haverá uma estatal para construir e operar o trem-bala”, disse, e explicou que a estatal mencionada antes seria um órgão encarregado apenas da absorção e da administração da transferência de tecnologia. “Esse órgão faria a interlocução entre concessionárias, fornecedores de tecnologia e universidades”, disse, confirmando que estão em análise eventuais conexões Belo Horizonte e Curitiba.

Cargas

Outra concorrência que promete esquentar é a expansão da Estrada de Ferro Paraná Oeste (Ferroeste). Segundo Samuel Gomes, presidente da estatal, ao longo de 2009 “serão divulgados os estudos de viabilidade técnica e ambiental com vistas à construção dos novos ramais”. As novas linhas vão articular o escoamento da produção no Mato Grosso do Sul, Oeste de Santa Catarina e Paraguai para os portos do Paraná. Atualmente a Ferronorte liga Cascavel a Guarapuava. A Ferroeste divulgou o resultado da licitação para a compra de 500 vagões. Disputaram Santa Fé, Randon e Amsted Maxion; esta última ficou à frente, depois de 36 lances, vencendo a licitação pela menor oferta de R$ 208,4 mil por vagão, o que representou uma economia de R$ 43,8 milhões para a ferrovia do Governo do Paraná.

A disputa de licitações do setor ferroviário crescerá com o trem de alta velocidade que ligará São Paulo e Rio de Janeiro, o edital de cujo leilão deve sair perto de 15 de junho.

Link para a matéria

COMMENTS