Ortopedistas apoiam lei que torna airbag obrigatório em todos os veículos

Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia participou da aprovação do projeto e defende que iniciativa resulta em “economia de vidas”

Ford Transit ganha espaço entre comerciais leves
Safra 2008/2009 tem segundo melhor resultado da história
Swiss oferece voos entre SP e Pequim, na China

A Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia enviou nota à imprensa em que divulga seu apoio ao Projeto de Lei que poderá obrigar as montadoras a incluir airbags na fabricação de todos os carros a circular no Brasil.

De acordo com o secretário-geral da enditade, Flávio Faloppa, o custo para inclusão do equipamento e seu impacto no preço final dos veículos vale a pena, pois, em longo prazo, a iniciativa “resulta em economia de vidas”.

Faloppa, que é também professor titular de Ortopedia da Universidade Federal de São Paulo, antiga Escola Paulista de Medicina, lembra que também houve resistência quando da obrigatoriedade do cinto de segurança, que já evitou milhares de mortes até hoje, e que provocou uma economia muito grande em atendimentos hospitalares.

“Os ortopedistas, que estão na linha de frente dos prontos socorros e hospitais, conhecem bem o custo pessoal e familiar dos acidentes com veículos”, disse o médico, que lembrou ainda o prejuízo da incapacitação temporária de um chefe de família que, vítima de uma fratura ou de uma lesão da face, deixa de prover o sustento de seus dependentes durante a convalescença.

A SBOT, que acompanhou atentamente a discussão do projeto na Câmara, tem trabalhado juntamente com o Ministério da Saúde para reduzir os acidentes de trânsito, que implicam em gastos de 28 bilhões de reais anuais pelo Governo e recorda que estudo do Centro de Experimentação e segurança Viária indica que, fosse o airbag já obrigatório, 3.426 mortes no trânsito teriam sido evitadas de 2001 a 2007.

COMMENTS