Duplicação de trecho da Rio-Santos fica pronta este ano, diz secretário

O trecho mais problemático e congestionado, entre o bairro de Santa Cruz, na zona oeste do Rio, e o município de Itacuruçá, deve ter as obras de duplicação prontas até dezembro

Governo pode desistir de pedágio na Rio-Santos
Temporizador em semáforo com radar poderá ser obrigatório
Conab inicia cadastramento de armazéns em Mato Grosso

O martírio de milhares de motoristas que utilizam a BR-101 Sul, conhecida como Rio-Santos, deve acabar até o fim deste ano. O trecho mais problemático e congestionado, entre o bairro de Santa Cruz, na zona oeste do Rio, e o município de Itacuruçá, deve ter as obras de duplicação prontas até dezembro.

A promessa é do secretário estadual de Transportes, Julio Lopes. Ele participou de uma audiência pública da Comissão Especial do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), na Assembléia Legislativa.

“Eu não tenho dúvida de que vamos conseguir cumprir o cronograma. O governador Sérgio Cabral já havia determinado todo empenho da secretaria para que essa obra seja terminada antes do verão do ano que vem e isso vai acontecer”, garantiu Lopes.

O superintendente regional do Departamento Nacional de Infra-estrutura de Transportes (Dnit), Marcelo Cotrim, também afirmou que a duplicação do trecho, de 26 quilômetros, sai este ano, a um custo de R$ 239 milhões.

“Vai ser em dezembro, sem dúvida. É um compromisso do ministro [dos Transportes, Alfredo Nascimento] e um compromisso nosso com os usuários”, disse o superintendente.

A obra sofreu sucessivos atrasos e já deveria estar pronta desde dezembro do ano passado. O trecho é especialmente importante porque vai permitir o aumento de fluxo de carros e caminhões que a região de Santa Cruz terá até o fim do ano, a partir da inauguração da Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), uma das maiores do país e que vai empregar mais de 3,5 mil pessoas.

Segundo Cotrim, outro trecho da Rio-Santos, entre Itacuruçá e Angra dos Reis, com 78 quilômetros, deverá ser iniciado no início de 2010, a um custo de R$ 800 milhões. O superintendente do Dnit garantiu também que dentro de um mês será iniciada a recuperação de um trecho da estrada entre Angra dos Reis e Paraty, até a divisa com São Paulo.

Para o presidente da Comissão do PAC, deputado estadual Rodrigo Neves (PT), as duas obras do programa no estado que mais preocupam pelo atraso são justamente a duplicação da BR-101 Sul e a do Arco Metropolitano, conjunto de rodovias que vai retirar o trânsito pesado de dentro da cidade do Rio.

“São obras que não estão acontecendo conforme o cronograma. Causam extrema preocupação à Comissão de Acompanhamento do PAC do Rio de Janeiro. O Arco Metropolitano deve começar até junho, para que a obra seja inaugurada até 2010”, disse Neves.

A Rio-Santos é importante não apenas como via turística, mas também porque faz parte do plano de evacuação das usinas nucleares Angra 1 e 2, em caso de emergência.

Link para a matéria

COMMENTS