De olho no País, Boeing investe em projeto ambiental no Paraná

A Boeing vai proteger uma área de remanescentes florestais de floresta de araucária em São João do Triunfo com seu investimento, cujo montante não foi revelado, mas segundo especialistas se aproxima de US$ 40 mil

Licitação de Expresso Aeroporto sai antes do que a do trem-bala
Arquivado projeto que incluía foto como prova de infração de trânsito
Motoristas com CNH sem foto devem ficar atentos ao prazo de renovação

O começo ainda é tímido, mas em vias de uma maior aproximação com o Brasil em função do projeto de reforma e aquisição de aviões de caça pela FAB, a norte-americana Boeing resolveu fazer sua estréia no País na área ambiental apoiando um projeto da paranaense SPVS – Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental. O programa em que ela se encaixou se chama Desmatamento Evitado que, em parcerias com o setor privado, atraiu empresas como Banco HSBC, Positivo Informática, O Boticário, Rigesa e Sun Chemical e já garantiu a adoção e preservação de 1.716,63 hectares de áreas verdes no Paraná.

A Boeing vai proteger uma área de remanescentes florestais de floresta de araucária em São João do Triunfo com seu investimento, cujo montante não foi revelado, mas segundo especialistas se aproxima de US$ 40 mil. Em 2007, a fabricante de aviões destinou aproximadamente U$ 3,7 milhões para ONGs em todo o mundo, segundo a SPVS. Em São João do Triunfo serão desenvolvidas ações de manejo para conservação da natureza, um programa de educação ambiental para proprietários rurais da região e pesquisas científicas em flora e fauna.

A parceria surgiu por intermédio da Pan American Development Foundation (PADF), organização que cria parcerias público-privadas para desenvolver projetos sociais na América Latina e Caribe. “Essa é a primeira ação da Boeing com a PADF. Escolhemos o programa Desmatamento Evitado como projeto piloto devido a SPVS ser líder na área em que atua e pela inovação para encontrar soluções comuns e factíveis para questões das comunidades”, disse Luisa Villegas, da PADF.

A SPVS, por sinal, entrou na lista dos 100 melhores projetos ambientais do mundo que concorreram a um edital para obter financiamento pela Comunidade Européia. Com um projeto de cinco anos destinado a conservação da biodiversidade do litoral paranaense a ONG participará, nesta sexta-feira, do primeiro Auction Floor – uma espécie de leilão de projetos ambientais – em Bruxelas, na Bélgica. A Care Brasil – com projeto voltado a mudanças climáticas no Piauí, será a segunda ONG brasileira a participar da seleção que tem orçamento de € 2 milhões destinados a cinco linhas de atuação: Áreas Protegidas; Gestão Integrada; Geração de Renda; Comunicação; e Sustentabilidade do Projeto.

Junto com a da Boieng, outra área que recebe recursos é Cerro das Flores, de Bocaiúva do Sul. Ela é a 15º propriedade do Paraná a ser adotada pelo Programa Desmatamento Evitado, com mais de 150 hectares de mata nativa sendo 100 hectares adotados pelo projeto “Seguro Verde” do Banco HSBC. Neste caso, a cada contratação ou renovação da apólice de seguro, o cliente ganha um bônus para preservar uma área nativa de 88 m² (no caso de seguro veicular), ou de 44 m² (no caso de seguro residencial). Segundo estimativas realizadas pela SPVS com base nas ferramentas de cálculo do GHG Protocol e fatores de emissão divulgados pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, cada carro, de médio porte e que rode cerca de 50 km/dia utilizando gasolina, produz anualmente cerca de 4 toneladas de CO2. No caso das residências, o cálculo médio de emissões de poluentes (uso de gás, eletricidade, geração de lixo, etc.) é de cerca de 2 toneladas de CO2.

Para o diretor da SPVS, Clóvis Borges, o Programa Desmatamento Evitado permite que áreas de florestas nativas deixem de ser desmatadas, mantendo o carbono estocado e contribuindo com a regulação climática, além de proteger a biodiversidade e a função ecológica dessas áreas. “O projeto está servindo de modelo, pois as empresas não estão fazendo uma doação e sim investindo num diferencial para seu produto. O projeto foi montado com precisão e sabemos o que acontece em cada área. Por isso, o Brasil – 5º maior emissor de gases de efeito estufa do mundo – passa a combater o aquecimento global com ações como esta, focadas em evitar o desmatamento”, explica. Ainda no primeiro trimestre de 2009 será assinado o contrato de mais uma área, de 28 hectares em Alfredo Wagner (PR).

COMMENTS