Embarque de carne de frango despenca

Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pela Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frangos (Abef), os embarques - incluindo frango inteiro, cortes, industrializados e outras carnes salgadas - somaram 263,2 mil toneladas

Ministro anuncia investimento de R$ 5 bilhões para os portos
Log-In quer driblar crise com rodovia e porto
Iochpe anuncia venda de 1132 vagões

As exportações brasileiras de carne de frango registraram forte queda em fevereiro e acumularam uma redução expressiva no primeiro bimestre do ano, mas deram sinais de que poderão registrar alguma recuperação em março.

Segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pela Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frangos (Abef), os embarques – incluindo frango inteiro, cortes, industrializados e outras carnes salgadas – somaram 263,2 mil toneladas e renderam US$ 295,8 milhões no mês passado. Em relação a fevereiro de 2008, o volume caiu 10% e a receita foi 42,8% menor.

Com isso, no primeiro bimestre as exportações alcançaram 538 mil toneladas, 5,2% menos que em igual período do ano passado, e renderam US$ 710 milhões, queda de 28,3% na mesma comparação. Ainda que o mês de fevereiro deste ano tenha tido menos dias úteis por causa do Carnaval, o resultado comprova os efeitos da crise internacional sobre a demanda pelo produto brasileiro. No primeiro bimestre, o preço médio das vendas ao exterior recuou 24,3%.

“São resultados que inquietam a indústria, mas os negócios melhoraram em março, sobretudo por causa da redução dos estoques em países importadores”, afirmou o ex-ministro Francisco Turra, presidente da Abef. Ele reiterou que o Brasil segue competitivo na crise, e destacou os esforços da entidade na busca de novos clientes. No primeiro bimestre, disse, representantes da indústria fizeram prospecções na Bélgica, Emirados Árabes Unidos, México e África.

Ainda que fontes do segmento temam pela saúde financeira de algumas empresas do ramo, em virtude de notícias de problemas principalmente em São Paulo – casos da Arantes Alimentos, que pediu recuperação judicial, e da Coperfrango, que anunciou demissões -, Turra disse os problemas mais agudos são “pontuais”. Nesse sentido, o ex-ministro comemorou a notícia de que deve mesmo sair o “draw-back verde-amerelo”, que oferecerá vantagem tributária na compra de ração.

O presidente da Abef também foi informado pelo governo sobre a abertura da Argélia para o frango processado brasileiro e sobre a expectativa de que Indonésia e Malásia façam o mesmo para todos os cortes em breve, o que pode colaborar para a meta de aumento de 5% no volume dos embarques em 2009. Mas Turra mantém a recomendação de cautela para o setor, que já reduziu a produção em cerca de 20% por causa da crise.

COMMENTS