Economia de R$ 600 mi para MT

O porto de Santarém (PA) será ampliado nos próximos anos com o projeto da norte-americana Cargill

Agência de transporte cria metas para as ferrovias da Vale
Ford reduz salário de executivos para não pedir ajuda ao governo
Deputados criticam déficit de mobilidade nos centros urbanos

O porto de Santarém (PA), que já vem sendo bastante utilizado pelos produtores mato-grossenses das regiões norte e noroeste, com médias de cargas exportadas superiores ao volume que sai pelo porto de Paranaguá (PR), será ampliado nos próximos anos com o projeto da norte-americana Cargill. A decisão da trading segue o exemplo do grupo André Maggi, que detém concessão do porto de Itacoatiara, no Amazonas, para exportação de soja.

Na opinião do presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado (Aprosoja/MT), Glauber Silveira, o porto é de fundamental importância para o escoamento da soja e para a sustentabilidade do agronegócio mato-grossense, podendo gerar uma economia de até R$ 600 milhões em frete. “Vamos percorrer no mínimo mil quilômetros a menos para colocarmos nossos produtos nos portos exportadores. O ganho será enorme”.

O primeiro passo para a ampliação do porto foi dado ontem pela manhã, com a realização de audiência pública em Santarém para discutir os impactos das obras para a comunidade local.

“A Cargil apresentou o projeto, inclusive com os impactos ambientais e as implicações econômicas e sociais para a comunidade de Santarém. As entidades que participaram da audiência gostaram da apresentação e acredito que a ampliação do porto é só uma questão de tempo mesmo”, disse Glauber Silveira, que participou do evento no Pará. “A comunidade de Santarém entendeu a importância da obra e os esforços empreendidos para a sua construção, que irá gerar emprego para a mão-de-obra local”.

Com a realização da audiência a Cargill depende agora só de licenciamento ambiental para iniciar as obras, que deverão ser concluídas em um prazo de três anos.

EXPORTAÇÕES – A Aprosoja/MT estima que num prazo de dois anos Mato Grosso poderá exportar cerca de 10 milhões de toneladas de soja via porto de Santarém, que em comparação à produção desta safra (09/10), em cerca de 18,8 milhões de toneladas, significa dizer que mais de 46% do grão seria ecoado pelo Norte do país.

O volume estimado pela entidade representa incremento de 1.150% em relação ao que se exporta atualmente pelo porto (cerca de 800 mil toneladas).

A projeção foi feita com base na ampliação do porto de Santarém, que atualmente tem capacidade para exportar apenas 2 milhões de toneladas, e na conclusão da pavimentação da rodovia Cuiabá-Santarém, a BR-163, até dezembro de 2011. “É a nossa grande alternativa [de escoamento]”, afirma o diretor administrativo da Aprosoja/MT, Carlos Fávaro.

De acordo com cálculos da Aprosoja/MT, a rota Cuiabá-Santarém vai reduzir em até US$ 39 o custo do frete por tonelada de soja transportada, em relação ao que se paga pelo escoamento do produto via Santos (SP) e Paranaguá (PR), cerca de US$ 130 por tonelada no caso da região de Sorriso, por exemplo. Por Santarém, este custo poderia ser reduzido em até 30% (US$ 91), garantindo maior competitividade aos grãos produzidos em Mato Grosso.

“É importante ganharmos novas saídas de escoamento da produção, pois precisamos reduzir os custos do frete e tornar a nossa soja mais competitiva no mercado internacional”, afirma Carlos Fávaro. Ele diz que o porto de Paranaguá “deixou de ser uma boa opção” para os produtores mato-grossenses com lavouras fora da região Sul.

“Com a busca de melhorias pelo transporte modal, vamos abrir novas saídas para a soja, otimizando o transporte, ganhando tempo e reduzindo custos. A preocupação é melhorar a renda do produtor, e uma das formas é ampliar as rotas de escoamento da produção”, disse, lembrando que o produtor deve avaliar o que é melhor para ele em termos de frete.

Link para a matéria original

COMMENTS