Setor de implementos prevê reaquecimento

O novo impulso na demanda vem da queda dos juros e da inclusão dos implementos nos incentivos previstos pelo programa Mais Alimentos

Superávit da balança comercial pode despencar 31% neste ano
Toyota reduz em 53% produção mundial
Paranaguá disponibiliza dois berços para socorrer Itajaí

Depois de uma queda brusca nas vendas no primeiro semestre, o setor de implementos agrícolas conta com uma forte retomada dos negócios no restante do ano. O novo impulso na demanda vem da queda dos juros e da inclusão dos implementos nos incentivos previstos pelo programa Mais Alimentos, do governo federal, que também vem salvando a indústria de tratores.

O presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Celso Casale, estima que as vendas do segundo semestre aumentem em até 50% no país em comparação com os seis primeiros meses do ano, quando o faturamento do setor chegou a R$ 2,6 bilhões – queda de 37,8% sobre o mesmo período de 2008.

Apesar da retomada, as estimativas ainda indicam que o faturamento do setor será cerca de 30% inferior a 2008, quando a receita dos fabricantes alcançou R$ 8,3 bilhões.

– Este incentivo à agricultura familiar cria um novo mercado (para a indústria de implementos). E a queda dos juros cria uma atmosfera positiva – diz Casale, referindo-se ao corte pela metade dos juros do programa Finame, que até o final do ano permanecerão em 4,5%.

O setor promete agora buscar que sejam perenizados os incentivos à agricultura familiar. Outra demanda será elevar o limite de financiamento de R$ 100 para R$ 120 mil. Segundo Casale, o aumento do teto permitirá que o produtor adquira implementos com mais tecnologia, e não apenas plantadeiras, grades, arados e outros equipamentos mais simples.

Em um ano, 5,2 mil tratores tiveram incentivo no Estado

O otimismo das fábricas de implementos é compartilhado pelas montadoras de máquinas, principalmente pelas perspectivas otimistas do mercado de tratores. Apesar da queda de 4,5% no volume de vendas de janeiro a julho, a expectativa é positiva para o restante do ano, segundo Fábio Piltcher, diretor de marketing da Massey Ferguson. A projeção é sustentada por fatores como a ampliação de recursos para o Plano Safra 2009/2010 e a previsão de ocorrência do fenômeno El Niño, com chuvas abundantes no verão.

Conforme o Ministério do Desenvolvimento Agrário, no Estado, foram vendidos, entre julho de 2008 e julho de 2009, 5,2 mil tratores no programa Mais Alimentos. Os juros do programa são de 2% ao ano. Em média, as máquinas e implementos vendidos com o incentivo oficial têm desconto de 15% em relação ao custo dos demais produtos.

Publicação anterior

COMMENTS