VW toma liderança em vendas de caminhão acima de 3,5

Em 2008, a VW emplacou 36.834 unidades, alcançando 30,3% do mercado

Pirelli põe 2.500 pessoas em férias coletivas
Por que o Salgado Filho (RS) é refém da neblina
Galeão, em obras, se prepara para receber passageiros na alta estação

A Volkswagen Caminhões e Ônibus conseguiu mais um feito no segmento de caminhões. Pela primeira vez na história, a marca passa a liderar o mercado acima de 3,5 toneladas. Em 2008, a VW emplacou 36.834 unidades, alcançando 30,3% do mercado. Este resultado desbancou a Mercedes-Benz, que vendeu 36.324 veículos – share de 29,9% Procurada, a assessoria de imprensa da empresa não foi localizada.

A Ford ficou com a terceira posição, com 20.762 unidades e 17,1% do mercado interno.

Também em 2008, a fábrica de Resende (RJ) bateu mais uma vez seu recorde histórico de produção, chegando a 56.028 caminhões e ônibus Volkswagen. É um volume 19% superior ao de 2007, obtido com o aumento da capacidade instalada, com três turnos de produção e um novo centro logístico.

“Agora, o desafio é buscar alternativas para continuar a crescer. Para isso, contamos com uma oferta cada vez maior de crédito, como a ampliação do financiamento da linha Finame para 100% do valor do veículo, e medidas de incentivo como a recém-divulgada isenção de IPI para caminhões”, diz Roberto Cortes, presidente da Volkswagen Caminhões e Ônibus.

Cortes prevê crescimento entre 2,5% e 3% na venda de caminhões em 2009, acompanhando as projeções para o PIB. Mas, para isto, medidas anticrise, como a diminuição da taxa de juros, têm de ser praticadas a fim de incentivar o consumo e a compra de novos veículos.

De acordo com ele, a taxa de juro no crédito direto ao consumidor está na faixa de 1,5% ao mês para um financiamento de 60 meses. Segundo Cortes, o ideal é que a taxa fosse reduzida para 1,1%. O Finame, programa do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) que financia máquinas e equipamentos, tem juros de 0.88%, mas, para Cortes, o governo deveria ampliar a oferta de recursos dessa linha.

Para ele, a reação do mercado no final de novembro e em dezembro melhorou o ânimo na indústria e sinaliza recuperação. “Temos de concentrar o foco agora nas condições do crédito”, repetiu.

Cortes também cita a renovação de frota para incentivar a produção. Para ele, o parque fabril brasileiro está capacitado para um amplo programa. “Só no Brasil, são quase dois milhões de caminhões com idade média de 18 anos, sendo que destes 300 mil têm mais de 30 anos. Isso traz altos custos econômicos, ambientais e de segurança ao País”, argumenta.

A Volkswagen Caminhões e Ônibus abriu 850 vagas com a adoção do terceiro turno em agosto. Cortês afirmou que com o crescimento previsto para 2009 conseguirá manter empregos e o terceiro turno em Resende (RJ).

O executivo afirmou que a compra da VW pela MAN vai ampliar o leque para as duas marcas. “Teremos 140 mercados onde a MAN atua para exportar nossos produtos. E também poderemos completar nossa linha com importação de veículos. Teremos muito mais possibilidades de negócios”, afirmou.

Entre os esforços para manter o crescimento do mercado em 2009, Cortes elogia o programa de ônibus escolares, que este ano deve injetar R$ 1 bilhão na indústria. “É uma ótima iniciativa do governo para manter o mercado aquecido. Vamos participar com muita garra”, disse. A VW já vendeu mil ônibus escolares ao programa federal.

COMMENTS