Empregados da Randon vão trabalhar menos

Dos 4,7 mil empregados de todas as áreas e níveis hierárquicos, 4,2 mil participaram da votação realizada durante toda terça-feira, nos turnos da manhã, tarde e noite

Trecho de 88km da BR-349 será recuperado na Bahia
Brasil deve adotar padrões restritivos para melhorar qualidade do ar, aponta Consema
Finanças aprova isenção de taxa para morador de cidade com pedágio

Com um índice de 82,6%, funcionários de cinco empresas do Grupo Randon, de Caxias do Sul (RS) responderam “sim” a proposta para a redução de cinco dias de trabalho nos meses de fevereiro, março e abril. Dos 4,7 mil empregados de todas as áreas e níveis hierárquicos, 4,2 mil participaram da votação realizada durante toda terça-feira, nos turnos da manhã, tarde e noite. A flexibilização será iniciada no próximo dia 2 de fevereiro. Pela proposta, a Randon pagará 50% das horas não trabalhadas.

Líquidos e vagões

Uma das cláusulas previstas no Contrato Coletivo de Trabalho previa utilizar o regime de flexibilização, sendo que a aprovação teria que alcançar um índice mínimo de 62%. De acordo com a gerente corporativa de Recursos Humanos da Randon, Maria Tereza Casagrande, todo processo de votação foi acompanhado por um representante do sindicato dos trabalhadores.

“Foi a vitória do bom senso”, observou a gerente de RH, “Nós estamos felizes porque os funcionários souberam entender a situação real que a empresa vive, embora o ideal seria que as fabricas estivessem trabalhando a pleno”, disse, para logo em segu i d a emendar: “Foi o melhor que se pôde fazer para passar este período turbulento sem demissões”.

De acordo com Casagrande, algumas áreas consideradas essenciais dentro das empresas — como a financeira, por exemplo — adotarão o recurso de plantão. ”Duas áreas dentro da divisão de implementos, a de produção de tanques para transporte de líquidos e de vagões ferroviários, não participaram da votação”, explica a executiva.

COMMENTS