Kassab vai ao Planalto e negocia expansão do metrô paulista

O prefeito de São Paulo disse não ter apresentado uma proposta fechada ao presidente, mas pediu que ele examinasse a possibilidade de expansão da malha metroviária com recursos federais e contrapartida do governo paulista

Governo estuda PAC voltado para mobilidade urbana em cidades que sediarão Copa de 2014
PF combate fraude fiscal de R$ 50 mi na BA
Ajuda ao agronegócio terá bom impacto no PIB

Uma semana após derrotar nas urnas a candidata petista Marta Suplicy, o prefeito reeleito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), foi recebido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto.

Kassab, que solicitou a audiência com o presidente, disse que foi “ratificar o bom entendimento e compromisso para o futuro” entre os governos municipal e federal.

Um dos assuntos levado ao presidente Lula foi a expansão do metrô paulista. O prefeito de São Paulo disse não ter apresentado uma proposta fechada ao presidente, mas pediu que ele examinasse a possibilidade de expansão da malha metroviária com recursos federais e contrapartida do governo paulista. Segundo Kassab, o governo federal já financiou projetos para o metrô, porém nunca investiu recursos do Tesouro.

“A minha sugestão foi no sentido do presidente examinar um investimento onde houvesse também uma contrapartida da cidade de São Paulo. Seria a cidade e o governo federal investindo no metrô”, disse.

O assunto deve ser examinado por ministros, e Kassab deve voltar ao Palácio do Planalto para uma nova audiência.

Os dois trataram também de aeroportos e da importância das intervenções em Congonhas.

Kassab disse não ter conversado com Lula sobre o endividamento da cidade, alegando ser um assunto mais técnico do que político e de competência do Senado.

“A questão do endividamento não diz respeito ao governo federal, diz respeito ao Senado, essa conversa já existe por parte dos prefeitos de capitais no Senado e está bastante concentrada no Legislativo”, explicou.

Questionado por jornalistas se não se sentia constrangido em se reunir com Lula logo após ter derrotado a candidata do PT à prefeitura de São Paulo, ele foi enfático: “De maneira algum. Sou o prefeito de São Paulo e na condição de prefeito tenho discutido rotineiramente todos os assuntos e não parei de discuti-los nem durante a campanha com o governo federal”.

Ao iniciar a campanha pela reeleição, Kassab ocupava a terceira posição na intenção de votos. Após uma disparada, ultrapassou Geraldo Alckmin (PSDB) e Marta Suplicy e chegou ao segundo turno na liderança com uma diferença de apenas 0,82% pontos de segunda colocada.

Durante a campanha, Kassab teve o apoio do governador tucano José Serra. Em 2004, Kassab foi eleito vice-prefeito de Serra e assumiu o cargo em 2006 quando Serra deixou a prefeitura para concorrer ao governo do estado. (Yara Aquino-Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS