TomTom, gigante do GPS, chega ao país

O endereço da TomTom será em São Paulo e deve ser definido até o fim do ano. Gigante mundial dos navegadores, empresa busca mercados no Brasil

Novas regras para investimentos privados em portos geram polêmica
Ajuda ao agronegócio terá bom impacto no PIB
Conab estima que safra 2008/2009 seja 2,5% menor do que a anterior

Benoit Simeray nunca imaginou, durante as três vezes em que viajou a passeio para o Rio, que um dia viria a São Paulo para trabalhar. Mas o executivo tampouco imaginou que a companhia que o contratou no início de 2003 cresceria 321 vezes em cinco anos – entre 2002 e 2007 – tornando-se o que ele diz ser a empresa de crescimento mais acelerado na história da Holanda. “Nunca sabemos o que nos espera. É a vida”, diz, em tom de brincadeira.

Vice-presidente de vendas para Europa e América Latina da TomTom, a maior fabricante de aparelhos de navegação para automóveis no mundo, Simeray abriu os escritórios do grupo em países como Itália, Espanha e Portugal. Seu objetivo, agora, é fazer o mesmo na América Latina, começando pelo Brasil.

O endereço da TomTom será em São Paulo e deve ser definido até o fim do ano. “Estamos recrutando um executivo [para a operação]”, conta. No início de 2009, o plano é abrir escritórios na Argentina e no Chile.

Fundada em 1991, em Amsterdã, a TomTom apresentou um crescimento meteórico nos últimos anos. Em 2002, a receita da empresa era de US$ 7,4 milhões, com lucro de US$ 1,28 milhão. Em 2007, os números eram bem diferentes: o faturamento chegou a US$ 2,4 bilhões e os ganhos somaram US$ 434 milhões. Em cinco anos, o quadro de funcionários pulou de 75 para 1.078.

A companhia nasceu como uma desenvolvedora de software de mapas para computadores de mão. Foram necessários, porém, 13 anos para que descobrisse sua verdadeira vocação: os aparelhos portáteis com o sistema de navegação GPS (sigla em inglês para “serviço de posicionamento por satélite”) para automóveis e bicicletas.

Simeray diz que, no início da década, os equipamentos GPS existentes eram grandes e, por isso, geralmente vinham acoplados ao carro. Além disso, eram caros. Custavam, no mínimo, 2 mil euros. Com o tempo, os dispositivos ficaram bem menores e passaram a ser vendidos no formato de aparelhos portáteis. Foi justamente esse o momento da virada da TomTom: a companhia conseguiu unir sua experiência em software à mobilidade do GPS, entregando um dispositivo por cerca de 700 euros.

Só neste ano, a TomTom estima vendar 15 milhões de aparelhos de navegação. O equipamento não tem botões. Tudo é feito com o toque do dedo na tela. Além disso, o dispositivo possui comando de voz. Outra facilidade é a possibilidade de atualização dos mapas – o aparelho é conectado ao computador e, pela internet, o usuário participa de uma comunidade onde é possível consultar dicas de trânsito ou mudanças de direção de ruas. Até restaurantes novos podem ser incluídos nos mapas.

No Brasil, o produto custará entre R$ 1 mil e R$ 2 mil. As primeiras peças começaram a chegar ao mercado em dezembro do ano passado, quando a TomTom fechou um acordo oficial – porém, não exclusivo – de importação e distribuição com a E-motion, seu primeiro acordo na América Latina. O país é considerado o principal mercado no bloco do Bric. Na primeira fase, o foco de Simeray será enfrentar as “barreiras” do país. “O custo de importação e de logística no Brasil são diferentes”, diz.

Hoje, é possível encontrar os produtos da empresa em varejistas como Fnac, Wal-Mart, Submarino e Carrefour.

Já os mapas da TeleAtlas – antiga fornecedora da TomTom que foi adquirida pela companhia neste ano, por 2,9 bilhões de euros – são comprados no portal da TomTom. O download dos mapas dos Estados Unidos e Canadá, por exemplo, custam 39,90 euros.

Segundo o executivo, a TomTom preferiu entrar em outros mercados antes de chegar à América Latina – único continente que faltava dentro do grupo -, porque os mapas dos países da região precisavam ser aprimorados.

Para aterrissar no Brasil, a TomTom, por meio da TeleAtlas, fechou um acordo com uma empresa brasileira, a Digibase, para melhorar a imagem das ruas e avenidas do país. “É um trabalho muito complexo. Os funcionários dirigem em estradas com grandes vans que têm sensores e câmeras”, diz. “Por isso, não é fácil encontrar boas companhias de mapa e apenas duas dominam o mercado, a TeleAtlas e a Navteq. É um segmento que demanda muito investimento.” A Navteq foi adquirida pela Nokia, por US$ 8,1 bilhões, em uma operação completada neste mês.

No setor de aparelhos portáteis, a concentração é semelhante. A TomTom e a Garmin, segundo Simeray, dominam 80% do mercado. Ele estima que serão vendidos, no mundo, entre 45 milhões e 50 milhões de aparelhos neste ano, o equivalente a 11 bilhões de euros. “As pessoas precisam economizar tempo dentro das cidades e querem informações atualizadas”, afirma.

COMMENTS