Crise não afeta setor automobilístico, diz presidente da Fenabrave

“Não há um aspecto de terrorismo, o que existe é muito falatório, e o cliente, o consumidor, aproveita para tirar a sua lasquinha e ao comprar o veículo ele quer alguma coisa melhor para ele”, disse

Produção de veículos avança pelo 2º mês e deve subir 10%
Gafor entra para mercado de auto-adesivos
Ryder abandona Brasil, Argentina e Chile

O presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), Sérgio Reze, disse hoje (13) que o setor automobilístico está com a produção normal e dentro das previsões, apesar da crise no mercado financeiro internacional.

“Não há um aspecto de terrorismo, o que existe é muito falatório, e o cliente, o consumidor, aproveita para tirar a sua lasquinha e ao comprar o veículo ele quer alguma coisa melhor para ele”, disse.

De acordo com ele, o reflexo da crise no Brasil deve ser uma redução das exportações, que serão compensadas pela desvalorização do real.

Sérgio Reze disse que para o setor automobilístico o que importa é o crédito. “Os bancos brasileiros não foram contaminados por essa crise dos Estados Unidos. Nós temos aqui a carteira de crédito dos bancos sem ativos podres e eles sabem como aplicar o dinheiro”.

Ele afirmou que o setor não deve aumentar os preços porque não há motivos para isso, e que aumentos de preço só são praticados quando há valorização dos preços dos insumos ou inflação.

“A inflação está contida e em certos aspectos até reduzindo e não se vê no horizonte grandes campanhas salariais que vão tumultuar, não tem havido greves paralisação. A economia do país em especial o nosso setor está vivendo dentro de uma normalidade”.

As declarações foram dadas no 1º Encoserv – Encontro Nacional de Comércio e Serviços. (Flávia Albuquerque – Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS