Crise já começa a respingar no Brasil

Os exportadores também estão sofrendo com a redução do crédito no mercado internacional, que acaba impossibilitando as negociações

Azul anuncia passagens a crédito para elevar venda
Imposto de Renda sobre férias vendidas pode ser recuperado
Infraero: Aeroportos prontos para a alta estação

Embora a inflação esteja dando uma trégua e a economia tenha conseguido se firmar, aproveitando o momento de crescimento mundial vivido nos últimos anos, a crise financeira desencadeada nos Estados Unidos, que se alastra pelo resto do planeta, aumentou a volatilidade do dólar trazendo problemas especialmente para as exportações. A avaliação é do economista-chefe da SulAmerica Investimentos, Newton Rosa. “A crise externa está impactando mais no câmbio, refletindo rapidamente nas vendas externas. Além disso, os exportadores também estão sofrendo com a redução do crédito no mercado internacional, que acaba impossibilitando as negociações.

Para o vice-presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, os impactos da falta de liquidez internacional já estão sendo sentidos, mas pico deve ocorrer ao longo de 2009, podendo começar já em dezembro deste ano, já que os números recentes são referentes as vendas de três quatro meses atrás. “É tudo muito recente, mas daqui a um mês, as empresas terão problema. E este momento é de reflexão, por isso, o comércio exterior está estagnado para sentir os mercados”, avalia, ressaltando que o que mais preocupa é que o furação atingiu o olho bem em outubro, mês em que se mais produz para as vendas de natal.

As constatações se chocam com a afirmação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de que as exportações estão tendo bom desempenho. “O setor exportador está funcionando normalmente. Evidentemente falta um pouco de crédito em dólares, porém isto não está impedindo o setor exportador de funcionar”, disse Mantega na segunda-feira, quando esteve reunido com Lula, com os ministros Miguel Jorge (Industria e Comércio Exterior) e Reinold Stefanes (Agricultura) e o presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles para analisar cada setor da economia brasileira. “A conclusão é de que a economia vai bem”, afirmou. (Simone e Silva Bernardino e Vanessa Stecanella – InvestNews)

Link para a matéria

COMMENTS