Crise não afeta balança comercial brasileira por enquanto, diz secretário

De acordo com Barral, a maior expectativa reside na possibilidade de restrições no crédito, embora grande parte dos exportadores brasileiros usem recursos de fundos nacionais

Porto de Santos terá obras de dragagem concluídas em 2011
Congonhas é aeroporto exclusivamente doméstico
Carrefour e Renner aquecem disputa pela venda eletrônica

A balança comercial brasileira não sentiu até agora quaisquer efeitos da crise financeira internacional em relação ao crédito ou à redução de demanda no mercado externo, de acordo com o secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Welber Barral.

De acordo com Barral, a maior expectativa reside na possibilidade de restrições no crédito, embora grande parte dos exportadores brasileiros usem recursos de fundos nacionais. Apenas uma pequena parte do financiamento das exportações é feita com recursos externos, conforme o secretário.

A balança comercial só deverá sentir algum efeito da crise em 60 ou 90 dias, caso o Congresso americano não aprove o pacote financeiro para salvar os bancos quebrados, destaca Barral. Boa parte dos contratos de importação e de exportação do Brasil para os próximos meses já foram firmados. Essa, segundo ele, seria a razão do país ainda não sofrer os efeitos da crise detonada pelos Estados Unidos.

Barral lembrou que, atendendo recomendação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, feita hoje (01/10), os Ministérios do Desenvolvimento e da Fazenda e o Banco Central vão monitorar a crise internacional para a eventualidade de terem que tomar medidas emergenciais em relação aos exportadores, quando o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) poderia participar com oferta de crédito.

Ao mesmo tempo, destacou Barral, o governo está desenvolvendo medidas facilitadoras para as pequenas e micro empresas, na área da logística e da desburocratização, levando em conta que esse segmento tem participação importante na balança comercial. (Lourenço Canuto – Repórter da Agência Brasil)

Link para a matéria

COMMENTS