Câmara tem 105 projetos que mudam o Código de Trânsito

Outras 16 propostas com esse objetivo já foram aprovadas na Câmara e aguardam votação no Senado

GM anuncia corte de 744 vagas em SP
ANTAQ aprova proposta de norma para Instalação Portuária Pública de Pequeno Porte
Superávit da balança comercial pode despencar 31% neste ano

Estão em tramitação na Câmara 105 projetos de lei para modificar o Código de Trânsito Brasileiro (CTB – Lei 9503/97). Outras 16 propostas com esse objetivo já foram aprovadas na Câmara e aguardam votação no Senado. Às vésperas de completar 11 anos – o que acontecerá no dia 23 de setembro -, o código já foi alterado oito vezes.

Para o deputado Hugo Leal (PSC-RJ), relator do texto que deu origem à chamada Lei Seca (11.705/08) e ex-diretor do Detran do Rio de Janeiro, o código não precisa de grandes modificações. “O que falta é aplicá-lo corretamente, principalmente fazendo valer as punições e respeitando os devidos prazos e regras”, avalia Leal.

A Lei Seca prevê tolerância zero de álcool para quem dirige. Ela entrou em vigor em 20 de junho e tem resultado na diminuição de vítimas fatais e feridos nos acidentes de trânsito. Segundo a lei, quem for apanhado dirigindo depois de beber perderá a carteira de motorista por 12 meses e pagará multa de R$ 955.

“O principal aspecto dessa lei foi uma mudança de comportamento e de cultura do cidadão”, ressalta Hugo Leal. “A norma vai se consolidando, ao acabar com a hipocrisia. Antes se dizia que quem tomava uma dose poderia dirigir. Mas isso é uma contradição, pois a essência do álcool é justamente a perda de controle – quanto mais se bebe, mais se quer. O importante é o cidadão saber que, se beber, não deve dirigir”, acrescenta.

Números expressivos

As mudanças nas estatísticas de acidentes têm sido expressivas, e um exemplo é a diminuição no número de casos nos quais houve socorro do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu): segundo o Ministério da Saúde, nas 26 capitais do País a queda foi de 1.772 ocorrências de acidentes, nos primeiros 30 dias de vigência da Lei Seca (de 20 de junho a 19 de julho), em relação aos 30 dias imediatamente anteriores. As ocorrências caíram de 11.918 para 10.146 – redução de 14,86%.

Já a Polícia Rodoviária Federal tem cálculos que levam em conta dois meses de vigência da lei: os acidentes fatais nas estradas diminuíram em 13,6%, o que permitiu uma economia para o País de R$ 48,4 milhões. O número de acidentes com mortos caiu de 998 para 862, entre 20 de junho e 20 de agosto deste ano, em relação ao mesmo período de 2007. E as autuações por embriaguez saltaram de 1.030 no ano passado para 1.839 neste ano, considerado o mesmo período.

A fórmula para calcular a economia com a redução da violência nas estradas foi proposta pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Os valores estão relacionados aos cuidados com as vítimas, aos custos com os veículos e aos danos ao meio ambiente. Um acidente sem vítimas custa, em média, R$ 19 mil para o País. Com feridos, o valor sobe para R$ 96 mil. E o desastre com mortes representa impacto de R$ 467 mil. Segundo o governo, os gastos anuais do Sistema Único de Saúde (SUS) com a violência no trânsito chegam a R$ 5 bilhões.

Link para a matéria

COMMENTS