Transporte marítimo é o mais utilizado por empresas para transportar cargas

Setor movimenta mais de 350 milhões de toneladas ao ano

Norma da Receita que proíbe cobrança de IR sobre dez dias de férias está no Diário Oficial
Projeto abranda punição para motociclista flagrado sem capacete
Wilson, Sons investe US$ 50 milhões em cais

Um dos modais mais importantes para empresas de logística no Brasil é o transporte marítimo. É através desse meio que companhias realizam grande parte dos processos de desembaraço aduaneiro na importação e exportação de cargas. O setor movimenta mais de 350 milhões de toneladas ao ano.

Segundo o Transport Consultant da Pinho International Logistics, João Luis Raynal Lira, o transporte marítimo representa  a imensa maioria quando comparado com outros modais. “O maior volume de cargas exportadas pelo Brasil são agranel, soja, minério de ferro, produtos siderúrgicos, mercadorias com imensos volumes, mas de baixo valor agregado, onde  nenhum outro modal poderá substituir o marítimo”, explica.

Pioneira no país como comissária de despachos e líder no mercado brasileiro, a Pinho International Logistics está no mercado há mais de 60 anos e, de acordo com o diretor executivo da empresa, Sávio Ferreira de Souza, a Pinho é a primeira companhia a obter registro no Porto de Paranaguá.

Atuando nos segmentos de logística internacional, desembaraço aduaneiro, agenciamento e operação de cargas marítimas, entre outros, a grande maioria dos processos da empresa são realizados por meio do sistema portuário e, segundo Lira, a possibilidade de uma greve nos portos traria grandes prejuízos para a empresa e o país, causando um forte impacto na balança comercial. “As empresas exportadoras, já tão combalidas pelo câmbio valorizado de nossa moeda, atrasarão faturamentos, colocando em risco, inclusive seus contratos comerciais internacionais. Além disso, sofrerão penalidades severas por falta nas entregas. As empresas exportadoras que não possuírem um respaldo financeiro saudável poderão quebrar”, afirma.

Um navio parado no porto pode custar aos importadores e exportadores de commodities um prejuízo em torno de R$ 45 mil por dia. “Qualquer pós-greve no setor portuário causa um atraso imenso junto às estações aduaneiras, portuárias e transportes internos pelo acúmulo de mercadorias a serem desembaraçadas”, diz Lira.

O Brasil conta atualmente com 16 portos, os de Santos (SP), Itajaí (SC), Rio de Janeiro (RJ), Porto Alegre (RS), Paranaguá (PR) e Vitória (ES) são os que têm maior movimento.

COMMENTS