Contran quer freios ABS em todos veículos novos do país até 2014

O equipamento extra não irá interferir no preço final do veículo, garante o presidente do Conselho Nacional de Trânsito (Contran)

Carga aérea cresce na Lufthansa e Fortaleza ganha novo terminal
Volkswagen planeja investir R$ 6,2 bilhões no Brasil até 2014
Importação de carros supera exportação

A partir do próximo ano, uma parcela de automóveis saídos de fábrica terão como item obrigatório o Sistema Antibloqueio de Frenagem, o freio ABS. O equipamento extra não irá interferir no preço final do veículo, garante o presidente do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), Alfredo Peres da Silva.

Segundo ele, os membros do conselho irão definir as exigências relativas à implantação obrigatória do ABS na próxima reunião do órgão, que ocorre na primeira semana de abril. A idéia é que até 2014 o equipamento de segurança faça parte de todos os veículos novos fabricados no país, como já foi decidido em relação ao airbag. A lei que torna obrigatória a instalação da almofada de ar para o condutor e o passageiro em todos os veículos novos, foi publicada ontem (19) pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Iremos fazer a reunião em abril para implantar a lei. A partir de 2014 todos os carros do país sairão de fábrica com o airbag. O mesmo prazo será usado para os freios ABS. O equipamento não irá encarecer o automóvel”, informou Silva durante apresentação do desempenho dos sistema de freios realizada hoje (20) no autódromo de Brasília.

A mostra serviu como embasamento técnico aos membros do Contran. Três tipos de manobras com carro, com e sem o sistema de frenagem, foram demonstradas em chão molhado. Logo após as apresentações, o presidente do órgão também decidiu testar o equipamento. “A diferença é brutal. A falta do ABS é impressionante”, afirmou Silva.

A porcentagem de carros que deverão sair de fábrica já em 2010 com o sistema ABS também será decidida na próxima reunião do Conselho. Segundo Silva, a implantação dos freios será feita aos poucos até abranger todos os automóveis em 2014.

“Nós vamos fazer de uma maneira progressiva para que a indústria automobilística tenha condição de implantar isso”, disse o presidente do Contran.

Link para a matéria

COMMENTS