Obras atrasadas na capital paulista

Na zona sul da capital, as obras do Terminal Varginha, que tinham conclusão prevista para junho, foram inauguradas somente na semana passada

Terminal de cargas terá inauguração oficial
Petroleiros farão greve nacional de 24 horas
Em menos de seis meses, rodízio de caminhões em São Paulo será compensado

O pacote com 19 obras lançado em março pela prefeitura de São Paulo, com o objetivo de melhorar a circulação de ônibus e carros, está caminhando lentamente. O prazo de conclusão dos projetos expirou em julho e sete ainda estão inacabados. Nos últimos dias, outros quatro foram entregues com atraso e apenas oito foram finalizados conforme previsto.

Na zona sul da capital, as obras do Terminal Varginha, que tinham conclusão prevista para junho, foram inauguradas somente na semana passada. A construção e sinalização de um retorno no canteiro central da Avenida Senador Teotônio Vilela, que facilitaria o acesso dos ônibus ao terminal, também estão apenas no começo.

O trabalho de readequação das paradas Rodrigues Vilares e Loureiro Rosa, que permitirá o embarque de passageiros em direção ao bairro e ao centro, tinha como prazo de conclusão o dia 30 de junho, mas o ritmo das obras ainda está lento. As melhorias na sinalização da Estrada do Campo Limpo, também na zona sul, estão sendo executadas.

De acordo com matéria do Diário de S. Paulo, a Secretaria Municipal dos Transportes afirma ser normal o atraso, já que se tenta não prejudicar a fluidez dos carros e dos coletivos.

O secretário de Transportes, Alexandre de Moraes, já havia afirmado durante o anúncio do pacote de obras, em 19 de março, que o objetivo era privilegiar o transporte público, embora as medidas também pudessem dar mais rapidez aos carros.

A Prefeitura tem se saído bem na execução de intervenções que alteram horários ou proíbem o estacionamento e a carga e descarga em ruas e avenidas. A readequação da sinalização foi rápida, mas ainda há falhas na fiscalização.

A Rua Catumbi, no Belém, zona leste, teve seu estacionamento proibido durante todo o dia, no trecho entre a Avenida Celso Garcia e a Rua Cachoeira, mas muitos motoristas ainda param os carros sem medo de multas. Já na Rua Vergueiro e na Avenida Cupecê, na zona sul, a obediência à restrição é maior.

A readequação da esquina da Rua da Consolação com a Avenida Ipiranga, no centro, foi eficiente.  A mudança da parada da Ipiranga para o canteiro central facilitou o acesso dos ônibus ao corredor da Consolação, evitando a confusão entre carros e coletivos.

A Secretaria Municipal dos Transportes ainda tem como objetivo evitar a invasão dos corredores de ônibus, instalando tachões (obstáculos) na linha divisória da faixa dos carros.

No corredor M’Boi Mirim, a medida foi implantada num trecho de 1.500 metros, mas o resultado é pouco eficiente. A Prefeitura está contratando uma empresa para fazer o recapeamento da M’Boi Mirim e, numa segunda fase, instalar mais tachões. 

COMMENTS