Ministério Público diz que Lei dos Motoristas triplicou o uso de drogas entre caminhoneiros

Para o órgão, o resultado reflete a precarização das condições de trabalho de motoristas com a nova legislação

Iveco disponibiliza serviço de personalização de caminhão via internet
MPT tem pressa na fiscalização da Lei do Motorista
Carreta da Texaco fez mais de 15 mil atendimentos de saúde em 2020

rebite

O Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul (MPT-MS) realizou, com apoio da Polícia Rodoviária Federal, submeteu caminhoneiros a exames toxicológicos em operações na Central de Abastecimento de Mato Grosso do Sul (Ceasa-MS) e no posto da PRF da BR-163 que apontaram que 33% dos caminhoneiros  usaram algum tipo de droga, com prevalência para a cocaína.

+ Um em cada três caminhoneiros usa drogas, revela teste inédito no Brasil

Quanto aos testados na Ceasa, constou-se 56% de positividade. Os testes ocorreram nos dias 6 e 7 de outubro e foram realizados em parceria com Instituto de Análises Laboratoriais Forenses (IALF) da Secretaria de Segurança Pública do estado e do laboratório americano Labet.

Em comparação com dados obtidos antes da sanção da nova Lei do Descanso (Lei 13.103/15), houve aumento de resultados positivos para uso de drogas, o que reflete a precarização das condições de trabalho de motoristas com a nova legislação, segundo o órgão.

+ Acidentes diminuem 10% e mortes recuam 21,8% nas rodovias concedidas de São Paulo

Os testes de queratina, realizados a partir da coleta de cabelo e pelos, constataram ainda que mais de 80% dos caminhoneiros usuários de cocaína possuem perfil de dependentes químicos. O procurador do Trabalho Paulo Douglas de Almeida Moraes ressaltou a grave conclusão apontada no exame. “Os testes demonstram que a nova legislação legitimou a negação da dignidade dos motoristas, na medida em que uma expressiva parcela destes trabalhadores precisa usar drogas para suportar a desumana carga de trabalho dela exigida. Os motoristas representam uma categoria reduzida à condição análoga a de escravo, em especial daqueles motoristas que transportam carga viva e perecíveis”.

+ Governo Federal atrasa pagamentos de obras em rodovias

Segundo Moraes, a realização de testes toxicológicos  associados à exigência de sobrejornada é uma perigosa contradição. “As alterações na legislação promovidas através dessa da Lei 13.103/15 representaram retrocesso sem precedentes para os direitos trabalhistas. A nova legislação, em termos práticos, autoriza a jornada de até 12 horas diárias e, em diversas hipóteses, não há qualquer limite de jornada”.

Ele finaliza esclarecendo que as novas regras desvirtuaram a Lei 12.619/2012, que ficou conhecida como “Lei do Descanso”, que assegurava aos motoristas tempo maior de repouso, vedação do pagamento por comissão e efetiva limitação de jornada.

+ Fique por dentro de tudo o que acontece no Transporte e na Logística pelo Facebook

COMMENTS